Em Cancún, ONU destaca desafio de cumprir metas globais perante desastres
BR

25 maio 2017

Economia global perde US$ 520 bilhões por ano devido a catástrofes; pelo menos 26 milhões de pessoas são empurradas para a pobreza devido a eventos extremos; Plataforma Global da Redução de Risco de Desastres ocorre dois anos após adoção do Quadro de Sendai.

Eleutério Guevane, da ONU News em Nova Iorque.

A vice-secretária-geral das Nações Unidas afirmou esta quarta-feira que o mundo está perante o desafio de como alcançar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, ODSs, tendo as atuais perdas económicas causadas por desastres.

Amina Mohammed mencionou estimativas das Nações Unidas apontando que, por ano, as catástrofes custam à economia global US$ 520 bilhões e empurram 26 milhões de pessoas para a pobreza.

Prejuízos

Na Plataforma Global da Redução de Risco de Desastres, em Cancún, no México, a representante afirmou que esses prejuízos podem acabar com o Produto Interno Bruto, PIB, de um país de baixa renda e levar milhões a fugir das suas casas.

Como exemplo, ela citou o Haiti que perdeu 120% do seu PIB no tremor de 2010 e 32% devido a furacão Matthew em outubro passado.

Mohammed lembrou que as regiões de África, das Américas, da Ásia, da Europa, do Médio Oriente e Norte da África e do Pacífico adotaram planos para implementar o Quadro de Sendai para a Redução do Risco de Desastre.

O foco da estratégia é “mudar o paradigma da gestão de desastres para a gestão do risco” do tipo de catástrofes.

Perdas

O discurso foi feito na inauguração do evento onde esteve o presidente do México, Enrique Pena Nieto. Cerca de 6 mil pessoas de 189 países participam nas sessões com a meta de avançar na redução das perdas causadas por desastres.

O presidente mexicano falou do e do sistema de alerta precoce desenvolvido pelo povo maia no Templo do Vento, em Tulum. Ele mencionou o historial da exposição do país a desastres que incluem terramotos, inundações, vulcões e secas.

Instituições

Pena reafirmou a adesão do México ao Quadro de Sendai e a importância da boa governação de riscos, além de instituições fortes, para que sejam reduzidas as perdas causadas por desastres. A reunião ocorre pela primeira vez após a Conferência Mundial da ONU na cidade japonesa em 2015.

Pena disse que o mais importante é que o seu país aprendeu a agir de maneira preventiva e a estar preparado para eventos inesperados.

O representante especial do secretário-geral para a Redução do Risco de Desastres, Robert Glasser, disse esperar que a natureza da reunião, oportunidade de compartilhar e aprender uns com os outros, impulsione os esforços em prol de um um mundo mais seguro e mais resiliente.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud