OMS alerta para ataques contra trabalhadores de saúde no mundo
BR

19 maio 2017

Relatório da agência da ONU afirma que foram registrados 302 ataques em 20 países a hospitais, médicos, enfermeiros e outros profissionais do setor em 2016; ações tiveram consequências diretas nos serviços prestados aos civis.

Edgard Júnior, da ONU News em Nova Iorque.

A Organização Mundial da Saúde, OMS, está alarmada com os ataques ao sistema de saúde em todo o mundo.

Segundo a OMS, em 2016 foram registrados 302 ataques a hospitais, clínicas, funcionários de saúde e ambulâncias em 20 países. Foram registradas 372 mortes e 491 pessoas ficaram feridas.

Alvos

Os principais alvos dessas ações foram hospitais, clínicas e outras instalações de saúde, seguidos pelos trabalhadores da área, ambulâncias e os próprios pacientes.

A Síria foi o país mais afetado, com 207 ataques, seguida por Líbia, República Centro-Africana, Cisjordânia e Faixa de Gaza, República Democrática do Congo e Mali.

Os ataques a bomba foram maioria: 74% do total, seguidos por tiroteios, roubo e agressões.

Comparação

Em comparação a 2014, houve uma redução significativa em todos os setores. O número de ataques em 2014, por exemplo, foi de 338. Segundo a OMS, 525 pessoas do setor de saúde morreram e 1.024 ficaram feridas.

Somente no primeiro trimestre deste ano, a Organização Mundial da Saúde já registrou 88 ataques, 80 mortes e 81 feridos.

Essas ações têm impacto direto na prestação de ajuda, impedindo que a população civil receba a assistência urgente que tanto necessita.

Os dados da OMS foram coletados de várias fontes públicas e separados de acordo com o tipo de ataque e país.

A agência diz que os ataques a trabalhadores de saúde representam uma violação da lei humanitária internacional.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud