Aumenta para quatro número de boinas-azuis mortos Rep. Centro-Africana
BR

9 maio 2017

Missão da ONU no país informou ter encontrado os corpos de três dos quatro soldados de paz desaparecidos depois do ataque deste segunda-feira Minusca afirmou que ataque a soldado da ONU pode ser considerado crime de guerra.

Edgard Júnior, da ONU News em Nova Iorque.

A Missão da ONU na República Centro-Africana informou que foram encontrados os corpos de três dos quatro boinas-azuis que estavam desaparecidos depois do ataque a um comboio da Minusca, na noite desta segunda-feira.

Com isso, sobe para quatro o número de soldados das tropas de paz mortos na ação. Um dos militares ainda continua desaparecido.

O comboio com várias viaturas foi atacado por um grupo de homens armados perto da cidade de Bangassou, que fica a 474 km de distância da capital Bangui. Depois do ataque, os criminosos conseguiram fugir pela mata.

Anti-Balaka

Segundo a Minusca, oito soldados de paz do Marrocos ficaram feridos e durante o confronto, oito integrantes da milícia anti-Balaka, de maioria cristã e responsável pelo ataque, foram mortos pelas tropas da ONU.

As Nações Unidas disseram que o boina-azul assassinado era cambojano e os feridos do Marrocos. Ainda não há informação sobre a identidade dos três últimos soldados.

A Missão da ONU enviou um helicóptero e mais militares para garantir a segurança e buscar o boina-azul desaparecido.

Um avião retirou imediatamente os feridos da área. Eles foram levados para um hospital em Bangui, onde estão recebendo tratamento.

Crimes de guerra

A Minusca criticou o ataque às tropas de paz dizendo que a presença dos boinas-azuis na República Centro-Africana tem o único objetivo de ajudar o país na proteção dos civis e de retirar a nação do ciclo de violência causado por grupos armados.

A Missão da ONU afirmou que fará o possível para garantir que os responsáveis pelo ataque sejam presos e levados à justiça. Segundo as Nações Unidas, “ataques a boinas-azuis podem ser considerados crimes de guerra”.

O representante especial do secretário-geral e chefe da Minusca, Parfait Onanga-Anyanda enviou condolências à família da vítima, ao seu batalhão e ao seu país.

Ele expressou também gratidão pelo trabalho e sacrifício dos soldados das tropas de paz na proteção da população centro-africana.

Notícias relacionadas:

Insegurança leva ONGs a suspenderem ações em áreas da Rep. Centro-Africana

ONU: violência sexual em conflitos é usada como tática de guerra

 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud