Venezuela deve permitir protestos e investigar mortes de manifestantes
BR

28 abril 2017

Especialistas em direitos humanos afirmaram estar preocupados com uso excessivo da força contra integrantes das manifestações e com as detenções; pelomenos 25 pessoas foram mortas nos confrontos.

Monica Grayley, da ONU News em Nova Iorque.

Um grupo de especialistas em direitos humanos afirmou que a Venezuela deve permitir a realização de protestos pacíficos contra o governo do presidente Nicolás Maduro.

O grupo, que tem mandato independente das Nações Unidas, diz que o governo tem que investigar, devidamente, a morte de pelo menos 25 pessoas em manifestações recentes.

Acusações

Um dos especialistas disse que está preocupado com as acusações de uso excessivo da força e prisões arbitrárias.

Segundo ele, esses atos, se forem comprovados, são violações graves dos direitos à vida e à liberdade, além do direito à reunião pacífica.

Centenas de pessoas ficaram feridas nos protestos e mais de 850 foram detidas. As manifestações na Venezuela começaram em 2015 por causa da instabilidade econômica e social da nação sul-americana.

Os protestos se intensificaram assim que o Tribunal Supremo de Justiça da Venezuela, no mês passado, decidiu assumir os poderes legislativos da Assambleia Nacional, que era controlada pela oposição ao governo Maduro.  A decisão foi revertida, mas os protestos continuaram.

Um dos especialistas da ONU disse que a resposta, cada vez mais militarizada é contraproducente, porque só aumenta as tensões e o risco de mortes e ferimentos.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud