Acidentes de trabalho matam 2,3 milhões de pessoas por ano
BR

28 abril 2017

A OIT diz ainda que 300 milhões ficam feridos de acidentes nos locais de trabalho anualmente; declaração foi feita para marcar o Dia Mundial da Saúde e Segurança no Trabalho, este 28 de abril.

Edgard Júnior, da ONU News em Nova Iorque.

A Organização Internacional do Trabalho, OIT afirma que 2,3 milhões de pessoas morrem e 300 milhões ficam feridos todos os anos em acidentes de trabalho.

No Dia Mundial da Saúde e Segurança no Trabalho, esta sexta-feira, 28 de abril, a OIT diz que informações corretas e detalhadas sobre o assunto vão ajudar a salvar vidas.

Tragédia

Em entrevista à ONU News, o diretor do Escritório da OIT em Nova Iorque, Vinícius Pinheiro deu mais detalhes sobre a situação.

“Hoje nós não temos muitas razões para celebrar o Dia Mundial da Saúde e Segurança no Trabalho. No momento em que eu terminar essa entrevista, nos próximos cinco minutos, cerca de 20 trabalhadores vão ter sido mortos por acidentes fatais e cerca de 3 mil acidentes vão ocorrer com trabalhadores ao redor do mundo. Isso é realmente uma tragédia muito grande e o custo disso é enorme. A OIT estima que os acidentes de trabalho custam cerca de 4% do PIB mundial em termos de dias perdidos, gastos com saúde, pensões, reabilitação e reintegração.”

Pinheiro disse ainda que os 2,3 milhões de mortes anuais representam apenas a “ponta do iceberg”. Segundo ele, grande parte dos acidentes não são reportados e por isso a OIT escolheu como tema para a data melhorar a informação sobre os acidentes.

Magnitude

Segundo a agência da ONU, esses cálculos sobre mortos e feridos não refletem a magnitude do problema, nem o impacto real dos acidentes e doenças ocupacionais sobre os trabalhadores, famílias e economias.

A OIT afirmou que “é necessário ter um melhor sistema de dados nacionais para que as autoridades possam compreender a dimensão e as consequências dos acidentes relacionados aos empregos, assim como de ferimentos e doenças”.

Prioridades

A partir dos chamados “dados de segurança ocupacional e de saúde, OHS pela sigla em inglês, a meta é preparar políticas e estratégias eficazes para combater os problemas.

A agência da ONU declarou que dados confiáveis facilitam na determinação de prioridades e servem de base para calcular o progresso no setor.

Segundo os especialistas, os países que tiverem informações corretas e atualizadas terão mais condições de implementar o plano de ação global para acabar com a pobreza, proteger o planeta e assegurar prosperidade para todos, seguindo a Agenda 2030 para o desenvolvimento sustentável.

A OIT renovou o compromisso de apoiar os esforços dos Estados-membros para aumentar a capacidade de prevenção de acidentes ocupacionais e doenças nos locais de trabalho.

Notícias relacionadas:

"Escravidão não é coisa do passado", alerta chefe da ONU

Atriz Patricia Arquette junta-se à ONU para defender igualdade salarial

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud