Vacinas fornecidas pelo Unicef chegam a metade das crianças no mundo
BR

26 abril 2017

Agência da ONU comprou 2,5 bilhões de doses de vacinas para menores em cerca de 100 países em 2016; apesar dos avanços, milhões ainda não têm acesso;  Semana Mundial de Imunização é realizada até 30 de abril.

Laura Gelbert Delgado, da ONU News em Nova Iorque.

O Fundo das Nações Unidas para a Infância, Unicef, forneceu 2,5 bilhões de doses de vacinas a crianças em cerca de 100 países em 2016, alcançando quase metade dos menores de cinco anos no mundo.

Os dados, divulgados durante a Semana Mundial de Imunização, fazem do Unicef o maior comprador de vacinas para crianças do mundo.

Vidas salvas

Nigéria, Paquistão e Afeganistão, os últimos três países onde a poliomielite é endêmica, receberam mais doses de vacinas do que qualquer outro país.

Segundo a agência da ONU, o acesso à imunização levou a uma “queda dramática” nas mortes de menores de cinco anos de idade por doenças evitáveis por vacina, além de deixar o mundo mais próximo da erradição da pólio.

Entre 2000 e 2015, as mortes de menores de cinco anos por sarampo caíram 85% e as causadas por tétano neonatal foram reduzidas em 83%.

Uma parte da redução de 47% nas mortes por pneumonia e de 57% nos óbitos por diarreia neste período também são atribuídas a vacinas.

Mortes evitáveis

No entanto, a agência calcula que cerca de 19,4 milhões de crianças em todo o mundo ainda não recebem vacinação completa todos os anos. Aproximadamente dois terços dos menores não vacinados estão em países afetados por conflitos.

Uma em cada cinco crianças com menos de cinco anos não recebe vacinas que salvam vidas por causa de sistemas de saúde fracos, pobreza e desigualdades sociais.

O chefe de imunização do Unicef, Robin Nandy, afirmou que desde 1990, a vacinação é uma grande razão para queda substancial da mortalidade infantil.

No entanto, ele afirmou que apesar dos avanços, 1,5 milhão de crianças ainda morrem todos os anos de doenças evitáveis por vacinas.

Desigualdades

A agência alerta que desigualdades entre crianças ricas e pobres continuam. Nos países onde ocorrem 80% das mortes de menores de cinco anos, mais da metade das crianças mais pobres não são vacinadas.

Em todo o mundo, “as crianças mais pobres têm probabilidade quase duas vezes maior de morrer antes dos cinco anos de idade do que as mais ricas”.

Estimativas são de que até 2030, 25% das pessoas viverão em comunidades urbanas pobres, a maioria na África e na Ásia.

Para o Unicef, isto significa que o enfoque e o investimento em serviços de imunização devem ser moldados para as necessidades destas comunidades e crianças.

Notícias Relacionadas:

Poder das vacinas ainda não é plenamente utilizado, afirma agência da ONU

Crianças a correr risco de morrer de sarampo na Somália

África testa primeira vacina contra a malária em crianças de três países 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud