Unesco: governos não acompanham demanda pelo ensino superior
BR

20 abril 2017

Publicação recente da agência da ONU mostra que número de estudantes universitários dobrou para 207 milhões entre 2000 e 2014; estudo aponta seis recomendações para ampliação do acesso.

Laura Gelbert Delgado, da ONU News em Nova Iorque.

Um novo estudo da Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura, Unesco, mostra que o número de estudantes universitários no mundo dobrou para 207 milhões entre 2000 e 2014.

No entanto, os governos estariam tendo dificuldade para acompanhar o rápido aumento na demanda e grandes disparidades no acesso, com grande parte dos custos do ensino superior ficando a cargo das famílias que, em muitos casos, não podem pagar.

Seis medidas

A publicação “Seis medidas para garantir que a educação superior não deixe ninguém para trás” estabelece uma série de ações para tornar esse nível educacional mais “justo e acessível”.

As medidas incluem garantir que os pagamentos de empréstimos estudantis não ultrapassem 15% da renda anual do estudante.

Outras recomendações:certificar que as pessoas que mais precisam recebam ajuda; garantir que equidade e acessibilidade estejam em marcos regulatórios e criar agências nacionais para assegurar igualdade de oportunidades.

Variar os critérios de admissão, para responder a diferentes necessidades individuais, e fornecer formas variadas de ajuda aos estudantes também estão entre as seis medidas recomendadas.

Desenvolvimento Sustentável

Para a chefe da Unesco, Irina Bokova, a educação superior é um pilar para que os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável sejam alcançados.

Ela afirmou que a demanda vai continuar subindo. Bokova defendeu que governos devem responder criando “novas políticas que garantam que a expansão não se esqueça das pessoas e que o acesso seja baseado no mérito, não em privilégios”.

Tendências globais

Analizando tendências globais, a publicação mostra que apenas 1% dos estudantes mais pobres passaram mais de quatro anos na universidade, em comparação a 20% dos mais ricos.

No México, menos de 1% da população indígena frequenta o ensino superior. Na China, jovens de áreas rurais têm probabilidade 7 vezes menor de ir à universidade do que estudantes de áreas urbanas.

Segundo a Unesco, o acesso ao ensino superior cresceu mais rápido em países mais ricos: nestas nações 74% dos jovens adultos estão matriculados em comparação a apenas 8%, em média, nos países mais pobres.

Desigualdades

As maiores disparidades de gênero também são encontradas em países de baixa renda, onde as mulheres formam apenas 30% dos estudantes de bacharelado.

Para a diretora do Instituto Internacional para o Planejamento Educacional da Unesco, Suzanne Grant Lewis, em alguns países “com desigualdades sociais profundamente enraízadas, ações afirmativas através de cotas ou sistemas de bônus podem ser necessária para expandir o acesso para grupos pouco representados, mesmo se esses mecanismos forem controversos”.

Segundo o estudo, houve uma expansão de faculdades e universidades privadas para atender a demanda estudantil, representando 30% das matrículas de estudantes em todo o mundo e 50% na América Latina.

Notícias Relacionadas:

Com Emma Watson, ONU Mulheres lança relatório sobre universidades

Unesco quer mudança na educação para atingir Agenda 2030

Académicos lusófonos abordam questões ambientais em Moçambique

Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News 

Baixe o aplicativo/aplicação para  iOS ou Android

Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud