Brasil discute implementação de agenda sobre mulheres, paz e segurança
BR

30 março 2017

Evento em Brasília contou com a participação da a chefe da Seção África do Departamento de Assuntos Políticos da ONU; em entrevista à ONU News, Valéria de Campos Mello destaca plano de ação brasileiro adotado recentemente para implementar Resolução 1325 do Conselho de Segurança.

Laura Gelbert Delgado, da ONU News em Nova Iorque.

Um evento em Brasília discutiu nesta semana desafios e boas experências na implementação da agenda sobre mulheres, paz e segurança.

Da capital brasileira, a chefe da Seção África do Departamento de Assuntos Políticos da ONU, Valéria de Campos Mello, destacou que encontro ocorreu no momento em que o Brasil adotou seu plano de ação para implementar a Resolução 1325 do Conselho de Segurança sobre a questão.

Protagonista

Em entrevista à ONU News, a especialista lembrou que a resolução, adotada pelo órgão da ONU no ano 2000, lançou formalmente a agenda sobre mulheres, paz e segurança, e foi a primeira de oito documentos aprovados pelo Conselho sobre a questão.

“O objetivo central tem três bases: a proteção, a prevenção e a participação. Então, é tornar a mulher plenamente protagonista na área de paz e segurança, não só como um ser a ser protegido, e isso é muito importante, sabemos, particularmente, a questão da violência sexual durante os conflitos e do uso do estupro como instrumento de guerra, e a questão também da proteção humanitária das populações afetadas pelos conflitos, mas também a mulher como ator político, a mulher na prevenção, a mulher na mesa de negociação (...).”

Segundo Valéria de Campos Mello, o objetivo do encontro em Brasília foi achar “meios e instrumentos concretos” para implementar o plano de ação brasileiro, “levando em consideração o que já foi alcançado em outros países”.

A especialista lembrou ainda que o Brasil tem uma “participação importante em missões de paz”.

Notícias Relacionadas:

ONU celebra 16 anos da resolução sobre mulheres, paz e segurança

Empoderamento feminino "contribui para defesa contra extremismo violento"

Mulheres devem estar no centro das reformas das operações de paz da ONU 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud