ONU destaca humanidade na preparação da primeira Conferência dos Oceanos

22 março 2017

Há mais de um ano, em 20 de fevereiro de 2016, o ciclone tropical Winston atingia Viti Levu, a maior e mais povoada das ilhas Fiji. A tempestade de categoria 5 matou pelo menos 44 pessoas e fez com que voos de e para a nação Ilha do Pacífico fossem cancelados.

O ministro das Pescas de Fiji,  Semi Koroilavesau, disse que esse foi “um dos ciclones mais fortes que atingiram um país do Hemisfério Sul”. O representante disse que o evento foi “catastrófico para  Fiji que ainda se está recuperando.”

Atum

Koroilavesau falava recentemente na mesa-redonda realizada à margem da primeira reunião preparatória da primeira Conferência das Nações Unidas sobre os Oceanos convocada pelo presidente da Assembleia Geral.

O evento  a decorrer entre 5 e 8 de junho de 2017, em Nova Iorque, será organizado pelos governos das Ilhas Fiji e da Suécia.

“Os nossos oceanos estão aquecendo e está alterando o padrão do nosso principal produto, o atum”, disse Koroilavesau ao sublinhar a importância dos oceanos para os fijianos.

“O padrão migratório mudou devido às condições da água. A degradação da água também está diminuindo nossos recursos e causando muitos estragos no nosso oceano”, declarou o ministro no painel de alto nível.

Transporta

O grupo incluía o presidente da Assembleia Geral, Peter Thomson, a vice-primeira-ministra da Suécia,  Isabella Lovin, e o subsecretário-geral e chefe do Departamento de Assuntos Econômicos e Sociais da ONU, Wu Hongbo.

Koroilavesau lembrou que “Fiji tem cerca de 320 ilhas. O oceano é um item muito importante nas vidas quitidianas”. Entre as áreas importantes ele mencionou o transporte entre as ilhas.

image
Foto: ONU Meio Ambiente/Kadir van Lohuizen/NOOR

Antecedendo o evento, quatro temas vão dar forma aos preparativos das discussões, das redes e das parcerias que segundo o presidente da Assembleia Geral “lançarão as bases para o decurso da Conferência dos Oceanos”.

Acidificação

Thomson disse que “desta vez e nos próximos anos, os esforços determinarão se nossos filhos e os que vierem depois deles conhecerão a alegria e a sustentação da generosidade dos oceanos que nos foi dada na juventude. Não vamos nega-los essa dádiva”.

Antes, Thomson destacou os meios de subsistência, o turismo, a segurança alimentar, o transporte marítimo e o comércio em mensagem sobre o tema Pessoas e Oceanos escolhida para fevereiro.

“Ao observar as populações de peixes em declínio, que estão atingindo um momento crítico, ou o nível de acidificação dos oceanos ou ainda o nível de plásticos em nossos oceanos qualquer pessoa sensata pode concluir que o tempo está se esgotando rapidamente e que precisamos agir rapidamente."

ODS 14 e a agenda de desenvolvimento

O subsecretário-geral da ONU e chefe do Departamento dos Assuntos Econômicos e Sociais, Desa, destacou a conexão entre os oceanos e as pessoas, especialmente no contexto do Objetivo de Desenvolvimento Sustentável, ODS 14. A meta prevê a conservação e o uso sustentável dos oceanos, dos mares e dos recursos marinhos.

Wu disse que quando se fala no ODS 14 “pensa-se na navegação no mar, em pescar para a alimentação ou em fazer turismo, mas isso não é tudo. O estado de saúde do mar e o uso  sustentável dos recursos marinhos têm um impacto direto na implementação dos vários ODSs”, destacou.

O subsecretário-geral pediu compromissos voluntários para que seja implementado o ODS 14.

Citando que o ODS 14 é uma das vanguardas para toda a Agenda 2030 para o desenvolvimento sustentável, Wu também faz a ligação entre oceanos e o objetivo para eliminar a fome. “Nós estamos recebendo muita nutrição e alimentos do mar então devemos proteger o mar”, disse Wu.

Além de comida e nutrição, Wu mencionou a contribuição significativa do oceano para o bem-estar geral das pessoas e na mitigação dos efeitos da mudança climática.

“O oceano e o mar são reguladores naturais do nosso clima e eles são bons para o saneamento”, disse o subsecretário-geral. “As pessoas estão dizendo que os oceanos absorvem um terço das emissões dos gases que causam o efeito estufa. Se nós perdemos os mares e oceanos, imagine que tipo de situação nós vamos ter,” alertou Wu, que também fez a conexão entre oceanos, emprego e crescimento econômico.

“Eu acho que o melhor ou o uso sustentável dos recursos marinhos daria realmente um grande impulso no crescimento econômico e na criação de muitos empregos”, disse Wu.

image
Foto: Unicef/Sokhin

Compromissos transformadores para direcionar resultados da Conferência

Os resultados da Conferência dos Oceanos vão, de acordo com o presidente da Assembleia Geral, incluir um pedido de ação e um relatório que vão constituir o plano global do quadro de trabalho para a implementação do ODS 14.

“Nós devemos manter a nossa visão clara. Nós devemos universalizar nossos esforços. Nós devemos manter o impulso em direção aos compromissos transformadores que vão surgir da Conferência dos Oceanos, em junho,” mencionou Thomson durante a primeira reunião preparatória.

Thomson dá importância particular aos resultados da Conferência dos Oceanos que constituem “um  momento de virada na história”.

“Esta é a oportunidade para qualquer ser humano fazer parte da recuperação dos oceanos. Para qualquer ser humano que se preocupa com a saúde dos oceanos,” disse Thomson durante a reunião.

A vice-primeira-ministra da Suécia, Isabella Lövin, vê a Conferência dos Oceanos como uma oportunidade para “compartilhar experiências e melhores práticas”. “Esta Conferência dos Oceanos vai ser a base onde nós podemos compartilhar conhecimento, transferir tecnologia e apoiar países em desenvolvimento para que eles tenham acesso e capacidade para compartilhar de forma necessária os oceanos porque os oceanos conectam todos nós,” ela disse.

Lövin também expressou preocupação com a exploração insustentável dos recursos dos oceanos e a poluição, e alertou, “Se essas tendências continuarem, com sobrepesca, com mais e mais poluição de plásticos nos nossos oceanos, nós teremos mais plástico do que peixes nos nossos oceanos até 2050”.

Como os outros participantes do painel, ela fez um pedido urgente à ação. “É realmente, realmente sério. Então isso é o que devemos fazer agora para deixarmos o nosso planeta com a consciência tranquila para os nossos filhos e netos”. “Nós precisamos agir agora e nós podemos fazê-lo. Nós não temos nenhuma desculpa para não agir”.

A ONU pediu compromissos voluntários para a implementação do objetivo 14 e criou um registro de compromisso online. Os compromissos voluntários, de acordo com o subsecretário-geral Wu, “reforçam a urgência para ações e soluções”.

Outros temas em foco todos os meses antes da Conferência dos Oceanos incluem: Poluição Marinha (lixo marinho, poluição da água vinda dos litorais, resíduos de navios, vazamentos de petróleo); Biodiversidade Marinha(sobrepesca, perda do habitat natural, perda de espécies); Mudança Climática e Oceanos(aumento do nível dos oceanos, aquecimento, acidificação e branqueamento de corais dos oceanos).

Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News 

Baixe o aplicativo/aplicação para  iOS ou Android