Metade dos centro-africanos precisa de ajuda humanitária

16 março 2017

Alerta é do Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários, Ocha; índice representa 2,2 milhões de pessoas; Conselho de Segurança discute situação do país com presença do presidente centro-africano.

Laura Gelbert Delgado, da ONU News em Nova Iorque.

A situação humanitária continua a piorar na República Centro-Africana. De acordo com o Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários, Ocha, metade da população do país precisa de assistência.

O índice representa cerca de 2,2 milhões de pessoas. Com o ressurgimento da violência desde setembro de 2016, mais de 100 mil pessoas recém-desalojadas foram registadas a levar o número de deslocados internos para mais de 402 mil.

Falta de recursos

Segundo o Ocha, isto significa que 20% dos centro-africanos estão ou desalojados dentro do país ou são refugiados em países vizinhos.

Embora essa situação tenha criado necessidades novas e urgentes, o financiamento para ação humanitária tem caído desde 2014. Até o momento, apenas 5% dos quase US$ 400 milhões pedidos no Plano de Resposta Humanitária para a República Centro-Africana em 2017 foram recebidos.

Em uma sessão com doadores na quarta-feira em Iaundé, nos Camarões, o coordenador humanitário em exercício no país, Michel Yao, pediu para o país não se torne uma crise esquecida ou negligenciada pela comunidade internacional.

Conselho de Segurança

Nesta quinta-feira, o Conselho de Segurança discutirá a situação no país e ouvirá informes do subsecretário-geral para Operações de Paz, Hervé Ladsous, e o presidente da República Centro-Africana, Faustin Archange Touadera.

O órgão das Nações Unidas também receberá informações do representante permantente do Marrocos na ONU que é presidente da Configuração do país na Comissão para a Consolidação da Paz.

Esta Comissão trabalha entre o Conselho de Segurança, a Assembleia Geral e o Conselho Econômico e Social da ONU para abordar as causas do conflito em um país e tentar estabilizá-lo antes que combates abertos ocorram ou ajudá-lo a se reestabilizar após confrontos.

Combates entre milícias Séléka, de maioria muçulmana, e anti-Balaka, de maioria cristã, levaram o país a um conflito civil desde 2013.

Notícias Relacionadas:

ONU apoia operação para travar rebeldes na segunda cidade centro-africana

Condenação internacional de ataques na República Centro-Africana

República Centro-Africana tem "ambiente humanitário mais perigoso" 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud