Angola quer colocar direitos humanos em currículos escolares do país

28 fevereiro 2017

Ministro da Justiça e Direitos Humanos do país, Rui Jorge Carneiro Mangueira, afirmou esta terça-feira na ONU, em Genebra, que mundo enfrenta inúmeros desafios incluindo fluxo de migrantes e refugiados.

Monica Grayley, da ONU News em Nova Iorque.*

Angola afirmou nas Nações Unidas que o país deve introduzir o ensino dos direitos humanos nos currículos escolares e universitários.

A medida foi aprovada no contexto de uma estratégia nacional no país africano de língua portuguesa.

Redes de formação

A declaração foi feita pelo ministro da pasta em Angola, Rui Mangueira, que também é responsável pelo Ministério da Justiça. Ele participou, nesta terça-feira, da 34ª sessão regular do Conselho de Direitos Humanos da ONU, em Genebra.

“A transversalidade dos direitos humanos passa, necessariamente, pela introdução dos direitos humanos no currículo escolar e no alargamento das redes de formação a todos os sistemas formais e informais de educação. Neste sentido, a aprovação da estratégia nacional sobre a educação em matéria de direitos humanos visa introduzir os direitos humanos nos currículos das escolas e da universidades de forma a expandir uma cultura de direitos humanos em Angola.”

Parceiros internacionais

Rui Mangueira contou que a iniciativa tem o apoio de atores estatais, representantes da sociedade civil e parceiros internacionais.

De acordo com o ministro angolano da Justiça e dos Direitos Humanos, seu país também está engajado na participação em tratados de proteção dos direitos da criança e contra a participação de menores em conflitos armados.

Assista ao video:

Mangueira também convidou relatores internacionais das Nações Unidas para visitarem o país. O ministro também mencionou a importância da cooperação internacional na manutenção da paz e da segurança.

“A preservação da paz e da segurança internacional é uma obrigação da comunidade internacional que deve ser assegurada dentro das normas do respeito do direito internacional. Neste contexto, apoiamos o combate ao terrorismo, pois trata de um flagelo do qual ninguém está livre, e que não deve servir de pretexto para legitimar a ingerência nos assuntos internos dos Estados-membros das Nações Unidas."

O ministro da Justiça e dos Direitos Humanos de Angola, Rui Mangueira, discursou nesta terça-feira na 34ª Sessão do Conselho de Direitos Humanos da ONU, em Genebra.

O encontro deve terminar no próximo dia 24.

Ouça aqui o discurso completo do ministro.

*Apresentação: Leda Letra.

Leia mais:

Planos da ONU para Angola em 2017

Angola busca experiência de Cabo Verde para empoderar mulheres

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud