Técnica nuclear vai combater mosca tsé-tsé na África Ocidental

21 fevereiro 2017

Aiea e FAO financiaram novas instalações em Burquina Fasso para produzir 300 mil insetos esterilizados por semana; meta é travar o vetor da doença do sono; danos na agricultura chegam a US$ 4,5 mil milhões por ano na África Subsaariana.

Eleutério Guevane, da ONU News em Nova Iorque.

A África Ocidental conta a partir desta segunda-feira com as maiores instalações da região para criar insetos que serão aplicados numa técnica nuclear para acabar com a mosca tsé-tsé.

Trata-se do vetor da Nagana, também conhecida por doença do sono, que mata mais de 3 milhões de cabeças de gado por ano na África Subsaariana. A doença também afeta os seres humanos.

Esterilização

As instalações inauguradas em Burquina Fasso foram construídas com o apoio da Agência Internacional de Energia Atómica, Aiea, em cooperação com a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação, FAO.

Por semana, o local recém-inaugurado na cidade de Bobo-Dioulasso deverá produzir 300 mil moscas tsé-tsé masculinas esterilizadas, como tática para controlar a doença que é considerada uma das mais devastadoras de África.

Desenvolvimento

A doença do sono é responsável por perdas que chegam a US$ 4,5 mil milhões por ano na indústria agrícola africana.

O combate à mosca tsé-tsé é considerada  uma grande preocupação no continente pelo seu impacto na agricultura e na pecuária, que limita  os esforços de desenvolvimento.

Notícias relacionadas:

Ilha em Zanzibar elimina mosca tsé-tsé graças à tecnica nuclear

FAO está preparada para contribuir com a luta contra o zika vírus

Técnica ligada à energia nuclear pode ajudar a combater o zika

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud