OMS: Angola e RD Congo estão livres da febre amarela

15 fevereiro 2017

Epidemia fica marcada por 965 casos confirmados e suspeita de centenas de mortos nos dois países; somente Angola registou mais de 4,3 mil pacientes suspeitos e 376 óbitos.

Eleutério Guevane, da ONU News em Nova Iorque.

Angola e a República Democrática do Congo, RD Congo, estão livres da epidemia de febre amarela que num ano provocou pelo menos 392 mortos.

A diretora regional da Organização Mundial da Saúde, OMS, para África declarou o fim de “um dos maiores e mais difíceis surtos da doença nos últimos anos”, em nota emitida em Brazzaville, na República do Congo.

Pacientes

Matshidiso Moeti  destacou a resposta “forte e coordenada” das autoridades nacionais, dos trabalhadores locais de saúde e dos parceiros para atingir o objetivo.

Os dois países confirmaram 965 casos, enquanto outros milhares foram considerados suspeitos. Angola registou um total de 4.306 pacientes suspeitos e 376 óbitos.

O país lusófono declarou-se livre da epidemia a 23 de dezembro, seis meses após ter detetado o último caso. A 12 de janeiro, a RD Congo completou um semestre sem a febre amarela.

Acesso

A vacinação de emergência a mais de 30 milhões de pessoas nos dois países é considerada “parte chave da resposta”, que até o fim do ano passado incluiu campanhas preventivas e de reforço em áreas de difícil acesso.

A iniciativa pretendia garantir a chegada da vacina às populações das áreas de risco. A resposta é considerada “sem precedentes” por ter esgotado por várias vezes as reservas globais de vacinas contra a febre amarela.

Notícias relacionadas:

Índia faz uma das maiores campanhas de vacinação contra sarampo e rubéola

OMS alerta que mundo deve se preparar para combater zika a longo prazo

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud