RD Congo: Ocha teme que milhares não sejam atendidos após ataque a hospital

13 fevereiro 2017

Um paciente e sua esposa foram atingidos por milícias após surto de violência da semana passada no leste; Ocha que partes em conflito respeitem Convenções de Genebra.

Eleutério Guevane, da ONU News em Nova Iorque.

O Escritório das Nações Unidas para os Assuntos Humanitários, Ocha, condenou “nos termos mais fortes possíveis” o ataque a uma unidade de saúde de referência que causou duas mortes na República Democrática do Congo, RD Congo.

Um paciente e a sua esposa foram assassinados por elementos de uma milícia que invadiram o Hospital Geral de Referência de Kiambi na quinta-feira. A região está situada na província oriental de Tanganica.

Assistência

O comunicado recorda que as estruturas de saúde e o pessoal médico são neutros e imparciais e “devem ser protegidos em todos os momentos”.

De acordo com o Ocha, se essa norma básica não for cumprida “privaria milhares de pessoas da assistência médica que é frequentemente essencial”.

O ato segue-se a uma onda de violência que começou na área de  Manono. Pessoal médico também sofreu devido ao ataque ao seu posto de trabalho, situado a 130 km da área onde a violência é mais intensa.

Proteção

Após considerar a ação “hedionda e covarde”, o Ocha apelou às partes em conflito que respeitem  as Convenções de Genebra “sem pré-condições”.

A nota destaca especialmente o artigo que “proíbe a morte e lesões corporais a pessoas que não participam diretamente em hostilidades, incluindo as que já depuseram as suas armas”.

A área sofre a ação da fação das milícias Mai-Mai, que reivindica a independência da província de Katanga.

Notícias relacionadas:

RD Congo quer US$ 748 milhões para atender crise humanitária em 2017

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud