Líbia: ONU deplora “padrão de estupro e escravidão sexual” contra migrantes

7 fevereiro 2017

Representante para Crianças e Conflito fala de experiências de cativeiro de recém-libertados do Isil em Sirte; enviada pede revisão urgente da política migratória ; contrabandistas e traficantes envolvidos em violência sexual.

Eleutério Guevane, da ONU News em Nova Iorque.

Testemunhos de mulheres e crianças recém-libertadas do autoproclamado Estado Islâmico do Iraque e do Levante, Isil, revelam um “padrão de estupro e escravidão sexual, particularmente contra migrantes” na Líbia.

A representante especial do secretário-geral para Crianças e Conflito Armado, Leila Zerrougui, disse que várias sobreviventes estão grávidas após as agressões que vieram a público depois da recente operação militar em Sirte, no leste.

Destino e trânsito

Em nota emitida esta terça-feira em Nova Iorque, Zerrougui  manifesta grande preocupação com a situação dos migrantes na Líbia “sendo um país de destino e de trânsito”.

Nessas viagens, migrantes de várias idades enfrentam violações graves como violência sexual cometida pelas partes do conflito líbio. Os responsáveis incluem contrabandistas, traficantes e outros grupos criminosos.

Os riscos dos migrantes incluem incidentes de violência sexual durante a detenção em períodos que chegam a durar meses, nos centros oficiais e não oficiais com migrantes sem documentação.

Proteção

Para Zerrougui é “alarmante” a presença de mulheres e crianças detidas na prisão de Al Jawiya, em Misrata.

As condições precárias incluem celas superlotadas, falta de acesso a alimentos adequados, água e remédios. A representante lamentou também a ausência de guardas nesses locais, que seria uma “medida de proteção importante.”

O apelo às autoridades líbias é que revejam urgentemente a política migratória do país e adotem medidas de proteção adequadas, com o apoio das Nações Unidas e da comunidade internacional.

O objetivo é diminuir os riscos dos atos de violência sexual que tenham ocorrido durante a detenção de migrantes.

O outro pedido é que seja cumprida a resolução do Conselho de Segurança sobre o tráfico de pessoas e o uso de violência sexual por grupos extremistas.

O objetivo é garantir que as pessoas que tenham estado no cativeiro do Isil sejam antes de tudo consideradas “vítimas de terrorismo”, o que permitiria que recebessem indemnizações e apoio de subsistência.

Notícias relacionadas:

Relatores contra proposta da União Europeia para devolver migrantes à Líbia

Agências da ONU fazem apelo à Europa pelo fim da morte de migrantes

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud