Com risco de escassez no Brasil, preço do açúcar subiu 10% em janeiro
BR

2 fevereiro 2017

Índice de Preço dos Alimentos da FAO alcançou no mês passado o valor mais alto em quase dois anos; preço dos cereais continua subindo, enquanto índices para leite e carnes ficaram inalterados.

Leda Letra, da ONU News em Nova Iorque.*

O Índice de Preço dos Alimentos subiu de forma considerável em janeiro, apesar dos mercados contarem com bons estoques a nível mundial. O índice é divulgado todos os meses pela FAO, a agência da ONU para Agricultura e Alimentação.

O índice atingiu 173.8 pontos em janeiro, o maior valor em quase dois anos, representando uma alta de 2,1% desde dezembro. A agência da ONU avalia os preços médios globais das principais commodities alimentares: cereais, açúcar, oleaginosas, leite e derivados e carnes.

Trigo e milho

Segundo a FAO, o índice de preço do açúcar subiu quase 10% em janeiro, impulsionado pelas expectativas de escassez prolongada dos estoques no Brasil, na Índia e na Tailândia.

Com os valores mais altos de trigo, milho e arroz, o preço dos cereais aumentou 3,4%, na comparação com dezembro. O volume dos estoques de cereais é de 681 milhões de toneladas.

Leite

As previsões para 2017 são positivas para vários grãos, inclusive para o milho, com expectativas de maiores colheitas após condições de seca do ano passado. Argentina e Brasil também devem plantar mais cereais este ano.

Houve alta também no índice das oleaginosas, de 1,8%, devido aos baixos estoques globais de óleo de palma.

Por outro lado, os índices de preço do leite e derivados e das carnes ficaram praticamente inalterados no mês passado.

*Apresentação: Michelle Alves de Lima.

Notícias Relacionadas:

Entrevista: investimentos para acabar com a fome

FAO: América Latina e Caribe devem ser primeira região a erradicar a fome

Entrevista: Sobrepeso e obesidade na América Latina

Ajude-nos a entender como você vê a ONU News e o que espera encontrar aqui. Participe da nossa pesquisa!