Milhares no Sudão do Sul a esperar ajuda por tempo indeterminado

1 fevereiro 2017

Alerta é da OIM, a agência da ONU para migrações; confrontos no nordeste do país, na região do Alto Nilo, estão a forçar as equipas humanitárias a suspender suas atividades.

Leda Letra, da ONU News em Nova Iorque.

A Organização Internacional para Migrações, OIM, se viu obrigada a suspender suas operações humanitárias na região do Alto Nilo, no Sudão do Sul, devido ao aumento da violência.

A agência de migração da ONU alerta inclusive que milhares de pessoas necessitadas deverão ter de esperar por assistência por “tempo indeterminado”.

Combates

O chefe da OIM no Sudão do Sul declarou que “a violência no Alto Nilo mais uma vez prejudicou a capacidade da agência em garantir apoio às populações que precisam seriamente de ajuda”.

William Barriga lamentou que os civis estejam a sofrer com os combates, o que dificulta a entrega de serviços por parte dos trabalhadores humanitários.

Registo cancelado

A OIM também estava a registar pessoas para receber mantimentos no momento em que começaram os confrontos entre forças do governo e da oposição. Os funcionários da agência se viram obrigados a sair da área, mas calcula-se que até 3 mil pessoas tenham ficado no local.

A violência ocorre principalmente no vilarejo de Wau Shilluk, em Malakal, que era uma das maiores áreas urbanas do Sudão do Sul antes da crise atual. Aproximadamente 33 mil deslocados internos que estão abrigados nos sítios de proteção dos civis são de Malakal.

A Missão da ONU no Sudão do Sul também condenou os confrontos na área e lembrou aos lados em conflito sobre a obrigação que têm em proteger os civis.

Notícias Relacionadas:

Milhões de pessoas a sofrer com falta de comida no Corno de África

Nações Unidas reafirmam apoio absoluto ao desenvolvimento da África

ONU e União Africana preocupadas com violência no Sudão do Sul

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud