Crise política em Gâmbia leva 45 mil a deixarem o país, diz Acnur

20 janeiro 2017

Agência da ONU afirmou que milhares seguiram para o Senegal e 800 cruzaram a fronteira com a Guiné-Bissau; estima-se que esse número aumente já que a situação continua tensa na nação africana.

Edgard Júnior, da ONU News em Nova Iorque.

A Agência da ONU para Refugiados, Acnur, afirmou esta sexta-feira que cerca de 45 mil pessoas fugiram de Gâmbia para o Senegal em meio às incertezas políticas no país. Em dezembro, as eleições presidenciais deram vitória ao candidato Adama Barrow, mas o presidente Yahya Jammeh recusa-se a deixar o cargo.

Na quinta-feira, o Conselho de Segurança da ONU reuniu-se sobre o tema reconhecedo a vitória de Barrow e pedindo a Jammeh que cumprisse a constituição gambiana realizando a transição.

Crianças

O Acnur teme que o número de pessoas que deixam Gâmbia aumente já que a situação continua tensa na região. Além de gambianos, vários estrangeiros também estão entre os que foram para o Senegal. Pelo menos outras 800 pessoas seguiram para a Guiné-Bissau.

As crianças representam mais de 75% dos que saíram de Gâmbia, seguidas por mulheres. As autoridades senegalesas implementaram planos de distribuição de alimentos e outros suprimentos de emergência para até 100 mil pessoas.

O Conselho de Segurança vai se reunir novamente esta sexta-feira, desta vez para discutir o relatório sobre Consolidação da Paz na África Ocidental e no Sahel.

O Acnur enviou equipes de emergência para avaliar a situação em vários postos da fronteira entre Gâmbia e Senegal.

Segundo a agência da ONU, aproximadamente 8 mil refugiados senegaleses vivem no território gambiano e estão preocupados com os eventos políticos no país após a eleição presidencial.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud