Quase metade da população da América Latina está acima do peso BR

Criança acima do peso brinca com seu cachorro em um mercado em Assunção, no Paraguai. Foto: ONU News/ Rocío Franco

Quase metade da população da América Latina está acima do peso

Segundo a FAO, maiores taxas são observadas nas Bahamas, onde 69% dos habitantes estão acima do peso ideal; no Brasil, índice é de 54,1%; para agência da ONU, índices são alarmantes.

Leda Letra, da ONU News em Nova Iorque.

A obesidade e o sobrepeso estão em alta na América Latina e no Caribe, principalmente entre mulheres e crianças. Essa é a principal conclusão de um relatório da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação, FAO, produzido em conjunto com a Organização Pan-Americana da Saúde, Opas.

Quase metade da população da região está acima do peso, um total de 360 milhões de pessoas. As maiores taxas de sobrepeso são encontradas nas Bahamas, com 69%, no México, com 64% e no Chile, com 63%.

Brasil

A maioria dos brasileiros também está acima do peso ideal. A ONU News entrevistou o oficial de políticas em desenvolvimento rural da FAO.

De Santiago, no Chile, Luiz Carlos Beduschi explicou a diferença entre sobrepeso e obesidade e falou sobre os índices do Brasil.

“Se define a obesidade como o Índice de Massa Corporal, IMC, maior a 30 e sobrepeso quando o IMC, que é a relação entre o peso e a altura, é maior do que 25. No caso brasileiro, o sobrepeso tem afetado ao redor de 54,1% da população e a obesidade ao redor de 20%. Esse aumento da prática de comer fora de casa, a gente está consumindo cada vez mais produtos com alta quantidade de gordura saturada, de sódio, de açúcar.”

Políticas públicas

Segundo a FAO, a obesidade atinge 23% dos habitantes da América Latina e do Caribe, especialmente em Barbados e Trinidad e Tobago.

No geral, a obesidade afeta mais as mulheres: em 20 países da América Latina e do Caribe, a taxa de obesidade feminina é 10% maior do que entre os homens. Para a representante regional da FAO, Eve Crowley, os índices de sobrepeso e de obesidade são “alarmantes”.

Segundo ela, esses números devem fazer com que os “governos acordem e lancem políticas para tratar de todas as formas de fome e de desnutrição, fazendo um elo com segurança alimentar, sustentabilidade, agricultura, nutrição e saúde”.

Já a diretora da Opas explica que a América Latina enfrenta o fardo da nutrição ruim, que precisa ser combatido com dietas nutritivas, saudáveis, com alimentos frescos.

Um dos principais fatores que contribuíram para as taxas foi a mudança nas dietas. Com o crescimento econômico e a urbanização, as pessoas passaram a consumir mais alimentos processados, por exemplo.

Desperdício

A região tem ainda 4 milhões de crianças menores de cinco anos de idade acima do peso, ou 7%.

O relatório nota que vários governos latino-americanos e caribenhos lançaram políticas para melhorar a nutrição da população. Barbados e México têm impostos sobre bebidas com açúcar, enquanto Bolívia, Chile e Peru têm leis para controlar o marketing de alimentos e as etiquetas dos produtos alimentares.

Por outro lado, a região conseguiu reduzir de forma considerável a fome, e atualmente apenas 5,5% da população está subnutrida. O Haiti tem a maior taxa de subnutrição do mundo, 53%. Mas ainda assim, 127 milhões de toneladas de comida são desperdiçadas por ano na América Latina.

Notícias Relacionadas:

Entrevista: Sobrepeso e obesidade na América Latina

Começa na África do Sul o primeiro Fórum Mundial de Dados da ONU

Preço dos alimentos cai pelo quinto ano consecutivo, segundo FAO

FAO: doação europeia deve apoiar mais de 10% de iemenitas em crise