Perspectiva Global Reportagens Humanas

Unicef vê melhoras no Haiti três meses depois do furacão Matthew BR

Junto com o governo do Haiti e parceiros, o Unicef conseguiu assegurar a entrega de água potável para 281 mil pessoas. Foto: ONU/Logan Abassi

Unicef vê melhoras no Haiti três meses depois do furacão Matthew

Representante da agência da ONU afirmou que aumentou a disponibilidade de água potável no país e a maioria das escolas está funcionando; Marc Vincent disse que Unicef precisa de US$ 36,6 milhões para cobrir operações humanitárias.

Edgard Júnior, da ONU News em Nova Iorque.

O Fundo das Nações Unidas para a Infância, Unicef, afirmou que três meses depois da passagem do furacão Matthew pelo Haiti, a agência e parceiros continuam levando ajuda humanitária para o país.

O representante do Fundo no Haiti, Marc Vincent, disse que “já se pode ver um progresso: aumentou a disponibilidade de água potável, a maioria das escolas está funcionando e também de clínicas e hospitais”.

Apelo

Segundo Vincent, as áreas de mais difícil acesso atingidas pela tempestade de categoria 4, também estão recebendo assistência. Mas para continuar as operações, o representante do Unicef afirmou que a agência precisa de 36,6 milhões dólares.

O montante aumentou em relação ao apelo de US$ 13,4 milhões, feito antes do furacão Matthew atingir o país.

Mais de 2 milhões de pessoas, incluindo 900 mil crianças, foram afetadas pela tempestade, sendo que 1,4 milhão precisam de ajuda humanitária.

Vacinação

Junto com o governo do Haiti e parceiros, o Unicef conseguiu assegurar a entrega de água potável para 281 mil pessoas.

Além disso, a agência da ONU ajudou na campanha de vacinação contra o cólera que alcançou mais de 800 mil pessoas, sendo 309 mil crianças.

Para ficar mais perto da população e melhorar o serviço de entrega da ajuda humanitária, o Unicef abriu dois escritórios no sul do país.

Notícias relacionadas:

Nações Unidas saúdam novo líder do Haiti por vitória nas eleições presidenciais

Assembleia Geral pede apoio à nova abordagem da ONU para cólera no Haiti