Oeste do Afeganistão registra 600 casos de violência à mulher em 2016
BR

5 janeiro 2017

Crimes foram cometidos nas cidades de Herat, Ghor, Badghis e Farah; entre eles: agressões, casamentos forçados, estupros e assassinatos; campanha da ONU lançada em novembro tenta reverter situação com programas de rádio, mesas redondas e reuniões.

Edgard Júnior, da ONU News em Nova Iorque.

A Missão de Assistência da ONU no Afeganistão, Unama, informou que 600 casos de violência a mulheres foram registrados no oeste do país somente no ano passado.

Em novembro, a Unama lançou uma campanha de combate a esse tipo de crime registrado principalmente nas cidades de Herat, Ghor, Badghis e Farah.

Atenção

Segundo a Unama, a iniciativa tem como objetivo chamar a atenção sobre o problema e seu impacto no desenvolvimento socioeconômico nas comunidades.

A campanha colheu informações da população local através de mesas redonda, debates em programas de rádio e reuniões públicas.

Os departamentos de Assuntos para Mulheres informou que no oeste do país foram registrados mais de 600 casos de agressões, casamentos forçados, estupro, assassinatos e violência psicológica à mulheres no ano passado.

A campanha reuniu vários religiosos para discutir o assunto sob a perspectiva do Islã. Num dos encontros, na província de Herat, 13 religiosos disseram “que a violência à mulher é inconsistente com os valores islâmicos”.

Igualdade

Um dos participantes disse que “o Islã aceita a igualdade entre homens e mulheres na educação e em outros aspectos da vida das pessoas”. Em algumas partes do Afeganistão, meninas que frequentam a escola ainda são alvos de violência por almejarem o direito à educação.

A violência a mulheres aumentou no país depois de três décadas de guerra, onde houve impunidade em relação aos autores dos crimes.

O mandato da Unama é apoiar o governo e o povo afegãos como uma missão política que fornece “seus bons serviços”, que são etapas diplomáticas com foco na independência, imparcialidade e integridade.

A Missão da ONU promove também o desenvolvimento coerente com apoio da comunidade internacional; ajuda no processo de paz e reconciliação; monitora e promove os direitos humanos e a proteção de civis em conflitos armados.

Notícias relacionadas:

Total de crianças vítimas do conflito no Afeganistão sobe 15%

Missão da ONU no Afeganistão condena ataque a mesquita

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud