Moçambique e Guiné-Bissau devem continuar nos menos avançados em 2024

13 dezembro 2016

Timor-Leste e São Tomé e Príncipe devem deixar o grupo de nações; Unctad recomenda que sejam lançadas as bases de desenvolvimento pós-gradução para evitar “armadilhas.

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.

Moçambique e Guiné Bissau são os únicos lusófonos que devem continuar a fazer parte da categoria dos Países Menos Avançados, PMAs,  nos próximos oito anos.

Um relatório da Conferência da ONU sobre Comércio e Desenvolvimento, Unctad, menciona que o grupo terá 32 países em 2021, 30 dos quais em África. Os outros são o Camboja e o Haiti.

Moçambique

O economista-chefe do Unctad para os PMAs, Rolf Traeger, falou à Rádio ONU, de Genebra, sobre a prestação das nações de língua portuguesa.

“O facto de um PMA não ter a sua classificação prevista, mesmo para os próximos 10 anos, não quer dizer necessariamente que não esteja a fazer progressos. Isso é o que estamos vendo, por exemplo, no caso de Moçambique, que está diversificando a sua economia com o início da exploração de matérias-primas energéticas e também o desenvolvimento de novas atividades económicas e apesar disso não tem a sua classificação prevista até 2024.”

Timor-Leste e São Tomé e Príncipe

O responsável disse que a lista de 16 países a obedecer a graduação até 2021 inclui os lusófonos Timor-Leste e São Tomé e Príncipe.

“Cabo Verde, em 2004, foi reclassificado e temos Angola cuja reclassificação ou a saída do grupo dos PMA já foi decidida pela Assembleia Geral da ONU para 2021. No mesmo ano, segundo as projeções ainda não oficiais, São Tomé e Príncipe também deverá ser reclassificado, ou seja poderá deixar de ser PMA .”

De acordo com a agência não é suficiente que um país deixe de fazer parte da lista dos menos avançados.

Armadilhas

A recomendação é que sejam lançadas as bases para o seu desenvolvimento depois da graduação para evitar “armadilhas”. Entre estas estão a dependência das matérias-primas, a comodidade de pertencer ao grupo de renda média que pode levar a uma reversão ao estado anterior.

Acelerar as políticas e os planos de graduação para a transformação das economias rurais, combinar políticas industriais e um aumento considerável do investimento público são as outras recomendações.

Os países foram do grupo também são aconselhados a aumentar o espaço fiscal e abordar a desigualdade de género.

Leia Mais:

Unctad: produtos únicos podem aumentar exportações de países mais pobres

Queda no preço do petróleo ameaça posição econômica do Timor-Leste

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud