Assembleia Geral da ONU exige fim imediato dos ataques a civis na Síria
BR

9 dezembro 2016

Estados-membros das Nações Unidas adotaram resolução exigindo não só o fim imediato e total dos ataques a civis, mas também o fim de todas as regiões sitiadas no país.

Edgard Júnior, da Rádio ONU em Nova York.

A Assembleia Geral da ONU adotou esta sexta-feira resolução que exige o fim imediato dos ataques a civis na Síria e também o fim de todas as áreas sitiadas no país.

O documento recebeu 122 votos a favor, 13 contra e foram registradas 36 abstenções. Os Estados-membros expressaram grave preocupação com a piora da situação humanitária e exigiram ainda acesso humanitário irrestrito à ONU e a todos os parceiros de ajuda.

China e Rússia

A ação adotada pela Assembleia Geral ocorreu depois do Conselho de Segurança ter vetado resolução parecida em votação na segunda-feira, que exigiu o cessar-fogo em Alepo. O veto foi dado por China e Rússia, dois países com assento permanente no órgão.

Ainda nesta sexta-feira, o Escritório de Direitos Humanos da ONU afirmou que pelo menos 100 mil pessoas estão vivendo em áreas sob controle de grupos armados da oposição no leste de Alepo. Aproximadamente 30 mil conseguiram fugir da região.

Responsabilidade

O documento aprovado pela Assembleia Geral reafirma a necessidade de todas as partes envolvidas no conflito implementarem as provisões de várias resoluções do Conselho sobre a situação no país.

Entre elas, está a da obrigação de todos os lados protegerem os civis. Neste sentido, o documento deixa claro que a “responsabilidade primária de proteger a população da Síria é das autoridades sírias.

Desde o início da crise em 2011, a situação humanitária piorou com mais de 13,5 milhões de pessoas precisando de algum tipo de ajuda. O número de deslocados internos chegou a 6,3 milhões e o de refugiados passou de 4 milhões.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud