Campanha do Acnur informa migrantes africanos sobre condições no Iémen

2 dezembro 2016

Etiópia e Somália são os principais pontos de partida; agência fala de expectativas irreais das pessoas que decidem fazer a viagem; migrantes expostos a riscos como abuso sexual, extorsão, tortura e trabalhos forçados.

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.

Uma nova campanha do Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados, Acnur, decorre a partir deste mês em países africanos que são pontos de origem e trânsito de migrantes para o Iémen.

A agência e parceiros registaram mais de 105 mil pessoas que seguiram viagem para a nação árabe desde meados de novembro, principalmente através do Golfo de Áden.

Situação

Falando à Rádio ONU, de Genebra, o porta-voz do Acnur, William Spindler, destacou os propósitos da iniciativa.

“O objetivo desta campanha é dar informação verídica às pessoas que estão considerando iniciar estas viagens para que elas considerem os perigos que vão enfrentar. Nem todas estas pessoas conhecem a situação no Iémen e também os riscos da viagem. Por isso, consideramos iniciar esta campanha, este dezembro, nos países de origem que são a Etiópia e a Somália.”

Spindler disse haver expectativas irreais por parte de vários migrantes sobre o que podem enfrentar no país de destino. Muitas vezes elas são enganadas ou não têm acesso a informações precisas.

Deportados

O porta-voz lembrou que o Acnur já pediu apoio de várias nações para abordar circunstâncias que levam os migrantes a movimentar-se e aos governos para que continuem a buscar soluções para os refugiados que fogem para o Iémen.

“É uma travessia muito perigosa. O problema é também o risco de abuso sexual, de extorsão, de tortura, de trabalhos forçados e outros que estas pessoas podem ser vítimas. Elas são em alguns casos detidas pelas autoridades e depois deportadas.”

O Acnur disse, entretanto, que faltam fundos para as suas ações no Iémen. Cerca de 44% do valor que é preciso para 2016 foi recebido para dar resposta ao contínuo deslocamento e à situação de iemenitas nos países vizinhos.

Circunstâncias 

A primeira campanha de informação realizada pelo Acnur ocorreu há 10 anos na cidade somali de Bossaso dirigida aos refugiados do país. A Organização Internacional pata Migrações, OIM, também levou a cabo várias iniciativas iguais.

O Acnur destaca que as campanhas transmitem informações sobre o que podem os migrantes esperar e vão além de “desencorajar as pessoas que fogem de circunstâncias difíceis como a guerra, a perseguição, ou a fome.”

Para Spindler é importante que o tipo de campanhas decorra enquanto são melhoradas condições nos países de origem. As informações devem ser dadas na língua das populações para que estas entendam e possam tomar uma decisão informada.

Leia Mais:

ONU preocupada com formação de novo governo no Iêmen

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud