Chefe dos direitos humanos alerta para perigo do registo étnico no Burundi

30 novembro 2016

Planos chamados de “revisão do equilíbrio étnico” devem abranger instituições públicas e semipúblicas; número de refugiados burundeses aumentou mais de 20% em quatro meses.

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.

O alto comissário dos Direitos Humanos da ONU considerou “uma medida potencialmente muito perigosa” a intenção das autoridades do Burundi de recolher registos sobre a identidade étnica dos seus funcionários.

Num discurso no Conselho dos Direitos Humanos, Zeid Al Hussein mencionou que o governo anunciou pnanos de lançar a chamada "revisão do equilíbrio étnico" em todas as instituições públicas e semipúblicas.

Aumento

O chefe dos direitos humanos citou dados de agências humanitárias indicando um aumento de refugiados últimos quatro meses.

De acordo com os relatos o número de pessoas que pedem abrigo nas nações vizinhas subiu de 270 mil em junho para aos 325 mil na semana passada.

Compromisso

Zeid disse que no Burundi paira o pior dos cenários com o crescente medo entre a população, o êxodo massivo de refugiados e a redução drástica do compromisso do governo com a comunidade internacional.

Ele destacou ainda que desde setembro, quando foi lançado o relatório dos peritos independentes, o país tomou medidas para aumentar as restrições ao espaço democrático incluindo proibições e suspensões de ONGs.

Leia Mais:

ONU nomeia comissão para identificar autores de alegados abusos no Burundi

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud