Iémen: Corno de África envia mais migrantes mesmo com piora do conflito

29 novembro 2016

Acnur quer apoio urgente aos países de origem e de trânsito para desencorajar tentativas de fazer a viagem; Etiópia foi ponto de origem de mais de 80% dos migrantes, refugiados e candidatos a asilo.

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.*

O Corno de África foi o ponto de origem de mais de 100 mil migrantes que chegaram de barco ao Iémen este ano, apesar da rápida evolução do conflito e do agravamento das condições humanitárias.

O Alto Comissariado da ONU para Refugiados, Acnur, declarou esta terça-feira que o facto destaca que é preciso “apoiar urgentemente os países de origem e de trânsito para desencorajar as tentativas de fazer a viagem mortífera.”

Etiópia e Somália

Até meados de novembro, 105.971 fizeram o tipo de travessia principalmente através do Golfo de Áden. A Etiópia tem a maioria com 88.667. Da Somália partiram 7.293 pessoas. Mais de 92,4 mil pessoas fizeram a viagem no ano passado.

Para seguir viagem, muitos são enganados ou mal informados sobre a gravidade do conflito no Iémen ou a esperança de alcançar os Estados do Golfo. Eles fogem da pobreza, da perseguição e da insegurança nos seus países.

Exploração

O Acnur  revela que as travessias para as jornadas arriscadas colocam os envolvidos em situações de conflito, abuso e exploração ao chegarem ao Iémen.

A agência fala de registos de abuso físico e sexual, privação de comida e água, sequestro, extorsão, tortura e trabalho forçado feitos por contrabandistas e redes criminosas que prendem e deportam as vítimas.

O conflito prolongado e a insegurança facilitam também a proliferação de redes de tráfico e de extorsão dos recém-chegados. Mulheres e crianças estão particularmente em risco de violência sexual e tráfico.

Este ano, pelo menos 79 pessoas que tentavam atravessar para o Iémen foram  mortas ou desaparecidas.

Cerca de 20 meses depois do início do conflito, o Acnur considera a situação iemenita “muito precária” com as novas chegadas e dificuldades que expõem os envolvidos a vários perigos e à morte.

Os combates no Iémen deslocaram mais de 3,1 milhões de pessoas e 80% da população precisa de assistência humanitária.

*Apresentação: Denise Costa.

Leia Mais:

Cessar-fogo de 48 horas no Iémen entra em vigor meia-noite

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud