Criação da Academia de Letras em Angola fortalece lusofonia, diz Portugal

26 outubro 2016

A afirmação é do presidente português, Marcelo Rebelo de Sousa, que saudou a iniciativa do país africano de promoção da língua e da literatura; em entrevista à Rádio ONU, em setembro, o dirigente afirmou que a ação de países, a sua maneira, no domínio da língua são um passo na direção certa.

Monica Grayley, da Rádio ONU.*

A criação da Academia Angolana de Letras, anunciada em setembro, foi saudada pelo presidente de Portugal durante uma entrevista à Rádio ONU, no mesmo mês. A nova academia deve promover o português, o idioma oficial da nação africana, com as demais línguas nacionais angolanas.

O presidente Marcelo Rebelo de Sousa conversou com a Rádio ONU durante sua participação nos debates da Assembleia Geral da ONU, em Nova Iorque.

Imaginação

Neste trecho inédito da entrevista, o estadista foi perguntado sobre a importância da mais nova Academia de Letras no espaço global de língua portuguesa.  Rebelo de Sousa elogiou a iniciativa e os esforços do país africano na divulgação do idioma.

“O que se possa fazer cada um a sua maneira no domínio da língua deve ser feito. Este é um exemplo que pode ser um ativo político muito significativo. E agora cabe a cada país com imaginação ver o que pode fazer. Não é o presidente da República de Portugal a dizer a outros países irmãos o que eles podem ou não devem fazer.”

A promoção do português no mundo é uma das resoluções da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, Cplp, desde 2008 quando o bloco aprovou uma estratégia de internacionalização do idioma.

Segundo o presidente de Portugal, a disseminação da língua gera dividendos para todas as oito nações que têm o português como idioma oficial.

“Os ganhadores são todos. E até eu diria mais. Aqueles que teem mais falantes em português são mais ganhadores do que Portugal. Porque se Portugal tem tantos milhões de falantes, mas há países que teem mais falantes do português, pessoas que falam português, e que são espalhados pelo mundo e que teem descendentes que falam português, eles ainda ganham mais do que Portugal.  Portanto, para mim, uma das coisas que eu percebi como professor é que aquilo que é óbvio, uma vez que se percebe que é óbvio, não há que perder tempo a realizá-lo.  Isto é óbvio.”

A língua portuguesa está presente em quatro continentes como idioma oficial de nascimento de oito países: Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste.

Em 2010, a Guiné Equatorial, na África, também adotou o português como uma de suas línguas oficiais ao lado do espanhol.

*Com entrevista de Eleutério Guevane e Monica Grayley.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud