FAO quer proteger recursos naturais de zonas húmidas do Sahel

6 outubro 2016

Número de beneficiários chega a 1 mil milhão de pessoas; Chade, Egito, Mali, Senegal e Sudão devem receber investimento de € 5 milhões; nesses locais, aves aquáticas reduziram em cerca de 40% em 60 anos.

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.

A Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação, FAO, apoia uma nova parceria para melhorar os recursos naturais em zonas húmidas da região africana do Sahel.

Esta quinta-feira, a agência anunciou um projeto de € 5 milhões para quatro áreas pantanosas que envolvem o Chade, o Egito, o Mali, o Senegal e o Sudão.

Segurança alimentar

O plano é aplicar o valor para gerir aves aquáticas migratórias de uma forma sustentável.

Os pássaros são essenciais para a segurança alimentar e os meios de subsistência de quase 1 mil milhão de pessoas que dependem da agricultura, da pecuária e do uso dos recursos naturais que incluem a pesca e a caça de aves.

A FAO vai executar e coordenar o projeto em cooperação com os seus parceiros nas zonas húmidas do vale do rio Senegal, do delta interior do rio Níger, do Lago Chade e de áreas baixas e médias do rio Nilo.

Várias espécies de aves aquáticas, que incluem o marreco e o rufo, passam o inverno nessas áreas do Sahel antes de voltarem para se reproduzir na Europa.

Planície

As aves aquáticas da área africana baixaram em cerca de 40% desde 1960, uma queda que se atribui ao encolhimento da planície de inundação com a drenagem, às poucas chuvas e a outros eventos ligados às alterações climáticas.

Os outros fatores seriam a mudança da biodiversidade vegetal, que inclui a invasão de novas espécies e a caça insustentável.

Caça sustentável

A diretora da Divisão de Política Florestal e dos Recursos da FAO definiu como  prioridade adaptar a caça de aves aquáticas, promovendo a gestão da caça sustentável e as políticas de conservação de aves.

Eva Muller destacou que essas práticas beneficiarão comunidades locais que dependem de aves para a sua subsistência em muitas áreas pantanosas do Sahel, onde a caça é essencial para a segurança alimentar e para a economia.

Leia Mais:

África Ocidental e Central em alerta devido ao aumento da gripe aviária H5N1

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud