Somália: novo assassinato faz subir número de jornalistas mortos para 31

28 setembro 2016

Abdiaziz Mohamed Ali  é o segundo jornalista vítima de morte violenta este ano no país;  profissional da  Rádio Shabelle foi atacado por homens armados não identificados.

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.

A morte de um jornalista somali da Rádio Shabelle elevou para 31 o número de profissionais da informação que foram assassinados desde agosto de 2012 em território somali.

Esta quarta-feira, o representante especial do secretário-geral para a Somália, Michael Keating, condenou fortemente a ação contra Abdiaziz Mohamed Ali. O segundo jornalista somali vítima de morte violenta foi atacado por homens armados não identificados.

Comunidade Internacional

Keating destaca qualidades do jornalista “inquisitivo, experiente e engenhoso que cobria regularmente conferências de imprensa da comunidade internacional em Mogadíscio”. A estação onde trabalhava é uma das principais da Somália.

O representante considera que a morte “representa uma grande perda para a comunidade jornalística do país do Corno de África.

Responsabilização

Após endereçar condolências à família da vítima, o enviado recorda um estudo da ONU sobre o direito à liberdade de expressão que descreve a Somália como "um ambiente operacional perigoso" a afetar jornalistas e trabalhadores da media.

Em 2015, o pais foi considerado o pior do Índice Global da Impunidade do Comité para a Proteção de Jornalistas que acompanha a falta de responsabilização por crimes contra os profissionais da área em todo o mundo.

A nota encerra com um pedido de um maior esforço das autoridades somalis para levar os responsáveis do crime à justiça.

Leia Mais:

Processo eleitoral adiado por 30 dias na Somália

 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud