Américas torna-se 1ª. região do mundo a erradicar o sarampo
BR

27 setembro 2016

Organização Pan-Americana da Saúde, braço da OMS no continente, diz que último caso endêmico foi notificado em 2002; provas da eliminação da infecção foram entregues à agência entre agosto de 2015 e 2016.

Monica Grayley, da Rádio ONU.

A Organização Pan-Americana da Saúde, Opas, anuncia nesta terça-feira que o sarampo foi erradicado das Américas. Com isso, a região se torna a primeira do mundo a eliminar a doença altamente contagiosa.

A conquista ocorre após 22 anos de esforços para acabar com a doença. Em 2014,  cerca de 115 mil pessoas morreram em todo o mundo. Uma média de 13 óbitos por hora.

Casos importados

Segundo a Opas, o braço da Organização Mundial da Saúde no continente, foram notificados em alguns países casos importados de sarampo.

As provas sobre a erradicação nas Américas foram entregues ao Comitê Internacional de Especialistas para a Documentação e Verificação da Eliminação do Sarampo, da Rubéola e da Síndrome da Rubéola Congênita, entre agosto do ano passado e deste ano.

Em 2015, a Opas anunciou o fim da rubéola e da rubéola congênita no continente.  Com a erradicação do sarampo, as Américas passam a ter cinco doenças eliminadas de seus países, que podem ser prevenidas através de vacinas.

Contato direto

Entre 2000 e 2014, a vacinação contra o sarampo ajudou a evitar mais de 17 milhões de mortes pelo globo.  O sarampo é causado por um vírus da família paramyxoviridae que é transmitido através do ar ou de contato direto. O vírus afeta as membranas mucosas e se espalha por todo o corpo.

Os sintomas são febre alta, dores pelo corpo, tosse, vermelhidão nos olhos e coriza. O sarampo pode durar de quatro dias a uma semana.  Após o terceiro dia, o paciente começa a ter erupção cutânea.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud