Timor-Leste vai abrigar conferência em março de 2017 sobre Agenda 2030
BR

24 setembro 2016

Anúncio foi feito pelo primeiro-ministro do país, Rui Maria de Araújo, que convidou juventude para participar de debates sobre a implementação das metas; chefe do governo afirmou que Congresso está analisando ratificação do Acordo de Paris, de combate à mudança climática.

Monica Grayley, da Rádio ONU.

O Timor-Leste convidou os jovens para ajudar a implementar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, ODSs, da Agenda 2030.

Em seu discurso na Assembleia Geral da ONU, neste sábado, o primeiro-ministro do país, Rui Maria de Araújo, disse que o Timor deve abrigar uma conferência sobre como tornar prática a Agenda 2030, para março de 2017. Ele disse que seu país quer servir de exemplo na implementação das metas.

Operações de paz

“Comprometemo-nos ainda a organizar uma conferência internacional de alto nível em março de 2017 para discutir formas de fazer avançar a Agenda 2030 nas situações mais difíceis. Estamos ainda empenhados em mostrar aos nossos jovens, a geração do futuro, o quão importante é o seu papel para atingir esses objetivos para os quais todos temos de contribuir e sobre os quais todos tiramos dividendos.”

Para o primeiro-ministro a mudança climática é um dos maiores desafios de hoje. Ele falou do tema logo na abertura do discurso em Nova York, ao cumprimentar o novo presidente da Assembleia Geral, que é de Fiji.

Autonomia

“Estou certo de que conhece muito bem os desafios que enfrentamos quando falamos de alterações climáticas e de gestão dos nossos mares e de seus recursos.”

Rui Maria de Araújo informou que o Congresso timorense está analisando a ratificação do Acordo de Paris, de combate à mudança climática.

Ele também elogiou o mandato do secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, que deve deixar o cargo em 31 dezembro. Ao comentar o legado, do líder da ONU, o primeiro-ministro timorense ressaltou a reforma nas operações de paz e o empenho do secretário-geral pelo combate à mudança climática, além do apoio a autonomia das mulheres, entre outros. Durante o discurso, Araújo pediu uma solução para a questão dos refugiados no mundo.

Para o chefe do governo timorense, este é um momento oportuno para que haja mudanças nas Nações Unidas.

Soluções

Rui Maria de Araújo reafirmou o apoio do Timor-Leste à Carta das Nações Unidas e o respeito aos direitos humanos. Segundo ele, os países têm que ser parte integrante na busca de soluções dos desafios atuais.

O primeiro-ministro timorense disse que o seu povo quer contribuir para os sonhos e aspirações de todos os países. Rui Maria de Araújo pediu o desbloqueio dos Estados Unidos a Cuba. Ele também mostrou-se a favor de uma “solução justa” para “as aspirações legítimas” do povo da Palestina.

Ao comentar alguns avanços de seu governo, ele falou sobre um estudo, publicado no último dia 21 pela revista especializada The Lancet, que destacou a qualidade da saúde no país.

Cplp

“O país do mundo que mais progrediu desde o ano 2000 nas metas dos objetivos de desevolvimento sustentável relacionados com a saúde devido à paz e à estabilidade no país e a aposta nos cuidados de saúde.”

Durante sua passagem por Nova York, o primeiro-ministro Rui Maria de Araújo participou de uma série de encontros bilaterais e regionais. Ainda em seu discurso ele ressaltou que a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, Cplp, deve investir mais em cooperação.

A comitiva liderada pelo primeiro-ministro contou com a participação de vários ministros de Estado incluindo o ex-presidente e ex-primeiro-ministro timorense, Xanana Gusmão.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud