Resistência a antibióticos leva OMS a mudar tratamento contra DSTs
BR

30 agosto 2016

Agência da ONU lança novo guia de tratamento para combater sífilis, gonorreia e clamídia; calcula-se que mais de 214 mil pessoas são infectadas todos os anos no mundo por essas três doenças.

Edgard Júnior, da Rádio ONU em Nova York.

A Organização Mundial da Saúde, OMS, lançou esta terça-feira um novo guia para o tratamento de três doenças sexuais transmissíveis, DSTs: sífilis, gonorreia e clamídia.

A decisão da agência da ONU foi tomada em resposta ao aumento da resistência dessas doenças aos antibióticos. Os especialistas disseram que todos esses problemas são causados por bactérias e, geralmente, são curados com o uso de remédios.

Uso Indevido

A OMS calcula que mais de 214 milhões pessoas no mundo contraem essas infecções todos os anos, sendo que clamídia e gonorreia são as mais comuns e depois, sífilis.

Esse aumento foi causado porque essas DSTs não são diagnosticadas e se tornam mais difíceis de serem tratadas. Agora, alguns antibióticos estão fracassando na cura devido ao uso indevido ou excessivo.

A pró-reitora de extensão da Universidade Federal do Espírito Santo, e integrante do grupo de desenvolvimento das diretrizes para infecções sexualmente transmitidas da OMS, Angélica Espinosa Barbosa Miranda, participou da preparação do guia.

Brasil

De Vitória, no Espírito Santo, em entrevista à Rádio ONU, a médica falou sobre a situação no Brasil.

“Não só no Brasil, como na América Latina em especial e em outras partes do mundo, essas doenças tiveram um aumento expressivo nas últimas décadas. A infecção com a clamídia é bem frequente no Brasil. O último estudo nacional mostra que por volta de 10% de mulheres jovens são infectadas por clamídia. Já a preocupação com a gonorreia é que cada vez mais aparecem cepas resistentes aos antibióticos que eram comumente usados. E, por último, a sífilis. Infelizmente o Brasil ainda não conseguiu e nem está tão perto de eliminar a sífilis congênita, que é o nosso maior problema.”

Entre as recomendações, o guia da OMS reforça a necessidade de se tratar essas doenças com o antibiótico correto, na dosagem correta e no horário determinado para impedir a propagação.

O relatório explica que a resistência dessas doenças aos antibióticos aumentou rapidamente nos últimos anos e acabou reduzindo as opções de tratamento.

Maior Resistência

Das três DSTs mencionadas no documento, a gonorreia é a que apresenta a maior preocupação porque desenvolveu a mais forte resistência aos remédios.

Quando não tratadas, essas doenças podem resultar em sérias complicações de saúde para mulheres e homens. A OMS classifica sífilis, gonorreia e clamídia como grandes problemas de saúde pública em todo o mundo.

Essas doenças afetam a qualidade de vida de milhões de pessoas, causando problemas graves e até mesmo morte.

No caso da gonorreia, a OMS afirma que os antibióticos mais antigos e baratos, comumente utilizados para combater a doença, não fazem mais efeito e não devem ser mais usados. Como exemplo, os especialistas desaconselharam o uso do antibiótico quinolones.

A clamídia é a DST mais comum e geralmente está associada à gonorreia. Em relação à sífilis, o relatório recomenda o uso de penicilina benzatina, antibiótico injetável que é considerado o mais eficaz neste momento.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud