PMA doa comida e fundos para mitigar efeitos do El Niño em Moçambique

2 agosto 2016

Agência anunciou reforço de ações para ajudar comunidades da África Austral; populações beneficiárias incluem os vizinhos Malaui, Lesoto, Suazilândia, Zimbabué e Madagáscar.

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.*

Moçambique é um dos países beneficiados pelo aumento das ações do Programa Mundial de Alimentação, PMA, para salvar comunidades africanas que sofrem dos efeitos das más colheitas das últimas duas épocas.

A agência anunciou que está a apoiar os afetados com alimentos e fundos para tentar reforçar a resiliência das populações.

Comunidades

As medidas também estão em curso em países como Malaui, Lesoto, Suazilândia, Zimbabué e Madagáscar como parte do apoio às comunidades da África Austral.

A seca foi causada pelo intenso fenómeno climático El Niño, considerado um dos mais fortes de que há registo. O momento mais grave coincidiu com a estação de cultivo, entre outubro e dezembro.

Escassez

As Nações Unidas receiam que pelo menos 40 milhões de pessoas venham a enfrentar insegurança alimentar na região no início de 2017. A época vai marcar o pico da escassez como resultado de duas secas ocorridas este ano.

A Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação, FAO, estima que aproximadamente 23 milhões de pessoas precisam de apoio urgente para produzir comida na África Austral até meados de 2018.

A agência precisa de pelo menos US$ 109 milhões para apoiar as ações.

*Apresentação: Denise Costa.

Leia e oiça:

ONU alerta que ondas de calor podem continuar matando milhares de pessoas

Organização Meteorológica Mundial prevê La Niña de intensidade fraca

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud