Tiros e dispositivos explosivos improvisados mataram civis na Líbia

1 agosto 2016

Um terço das 12 vítimas mortais eram crianças; Bengazi teve 14 corpos encontrados numa lixeira e três enfermeiros alegadamente executados por grupos leais ao Isil.

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.

Tiros e engenhos explosivos improvisados causaram a maior parte das mortes de civis durante os combates ocorridos na Líbia em julho.

Entre as 12 vítimas mortais e 29 feridos, cinco morreram atingidas por balas e três não resistiram aos engenhos explosivos, de acordo com a Missão das Nações Unidas no país, Unsmil.

Hostilidades

O mês passado foi marcado pela morte de quatro crianças e pelo ferimento de 18 mulheres na sequência das hostilidades na Líbia.

Os dados anteriores não incluem as vítimas que “não foram resultado direto das hostilidades”, como execuções após a sua captura, atos de tortura ou raptos.

Nessa categoria, o informe da operação de paz destaca 14 corpos encontrados numa lixeira em Bengazi, a 21 de julho.

Uma semana depois, cadáveres de três enfermeiros do centro médico local foram entregues aos seus familiares, após terem sido raptados por forças da oposição. Eles teriam sido executados por grupos leais ao autoproclamado Estado Islâmico do Iraque e do Levante, Isil.

Leia e Oiça:

Cidade líbia praticamente esvazida após campanha para expulsar Isil

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud