Mortes na travessia do Mediterrâneo aumentam 55%, segundo OIM
BR

19 julho 2016

Foram registradas 2.954 vítimas entre 1 de janeiro e 17 de julho deste ano, sendo que no mesmo período do ano passado foram 1.906 mortes; em junho, a guarda costeira grega fez 58 operações de busca e resgate.

Leda Letra, da Rádio ONU em Nova York.

Entre 1 de janeiro e 17 de julho, foram registradas 2.954 mortes de refugiados e migrantes no Mar Mediterrâneo, segundo a Organização Internacional para Migrações, OIM.

Esse número representa aumento de 55% na comparação com o mesmo período do ano passado, quando houve 1.906 mortes. De acordo com fontes oficiais da Grécia, a guarda costeira do país precisou realizar 58 operações de busca e de resgate somente em junho.

Africanos

Cerca de 10 pessoas suspeitas de serem traficantes de seres humanos foram presas e 16 barcos capturados. Mas desde janeiro, foram registrados quase 1 mil incidentes do tipo no Mediterrâneo.

Somente neste ano, foram mais de 240 mil migrantes e refugiados entrando na Europa pelo mar, sendo que a maioria desembarcou na Itália ou na Grécia. A maioria que chega em solo italiano saiu da África: são nigerianos, eritreus, sudaneses ou marfinenses.

Já a Grécia e a Bulgária continuam sendo o destino mais buscado por civis da Síria, do Paquistão, do Afeganistão e do Iraque.

Leia e Ouça:

Número de migrantes presos no Egito a buscar apoio cresce em 2016

Grécia registra mais de 15 mil pessoas que buscam asilo

Faltam fundos para lidar com impacto do El Niño em Angola e Moçambique

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud