Unctad: países precisam cumprir cota de 0,7% para desenvolvimento BR

Para o secretário-geral da Unctad, Mukhisa Kituyi, se os países ricos contribuissem com sua cota de 0,7% desde 2002, as nações em desenvolvimento teriam US$ 2 trilhões a mais. Foto: Reprodução ONU TV

Unctad: países precisam cumprir cota de 0,7% para desenvolvimento

Em relatório, agência da ONU diz que alcance da Agenda 2030 depende da ajuda de nações desenvolvidas; documento foi lançado em Nairóbi, no Quênia.

Mônica Villela Grayley, da Rádio ONU em Nova York.

Os países em desenvolvimento estariam numa posição melhor para atingir os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável caso os países ricos cumprissem com a promessa de destinar 0,7% de seu PIB em ajuda às nações que precisam.

A constatação é do relatório “Desenvolvimento e Globalização: Fatos e Números”, divulgado pela Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento, Unctad, em Nairóbi, no Quênia.

Resposta

O secretário-geral da Unctad, Mukhisa Kituyi, afirmou que se os países ricos contribuissem com sua cota de 0,7% desde 2002, as nações em desenvolvimento teriam US$ 2 trilhões a mais.

Ele lembrou que a Agenda 2030 precisa ser financiada.

Para ele, a marca de 0,7% do PIB é um argumento difícil para muitos governos, mas ao mesmo tempo, os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável também são ambiciosos e precisam de uma resposta à altura.

No ano passado, num encontro na Etiópia, a comunidade internacional pediu à Unctad e quatro outras organizações que encontrassem a maneira de financiar a Agenda 2030.

Participam ainda desta tarefa o Fundo Monetário Internacional, FMI, o Programa da ONU para o Desenvolvimento, Pnud, o Banco Mundial e a Organização Mundial do Comércio, OMC.