FMI fala de sucesso em Portugal, mas cita incertezas após Brexit
BR

30 junho 2016

Quedas nas exportações e investimentos portugueses devem baixar ritmo de crescimento para 1% este ano; técnicos dizem que economia precisa de mais medidas para apoiar contenção das despesas.

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.*

Uma equipe do Fundo Monetário Internacional, FMI, terminou a sua quarta missão em Portugal, depois do programa de assistência, destacando que o país tem agora um acesso favorável aos mercados financeiros.

Em nota, emitida esta quinta-feira, o órgão menciona que o programa de ajustamento foi um sucesso. E revela que o ritmo de crescimento abrandou recentemente porque moderaram as exportações e o investimento.

Referendo britânico

Para o FMI, o aumento da incerteza do mercado no contexto da "maior aversão ao risco após o plebiscito no Reino Unido, pode continuar por um longo período. Isso reforça a necessidade de uma estrutura política de confiança.

Segundo o órgão, o ritmo da recuperação econômica de Portugal abrandou desde meados do ano passado mas houve uma expansão do consumo interno.

O FMI informou que o investimento e as exportações enfraqueceram como reflexo do aumento da incerteza e de uma acentuada recessão em alguns mercados de bens portugueses. Este ano, a economia de Portugal deve crescer 1%, menos meio ponto percentual em relação a 2015.

Pressões

A equipe identificou riscos que podem afetar a cobrança de receitas devido ao crescimento mais lento. Os técnicos acreditam que pode haver ainda pressões sobre as despesas na segunda metade do ano.

Por isso, o FMI considera que mais medidas devem ser necessárias para apoiar a contenção das despesas. O objetivo é garantir que seja alcançada a meta fiscal de 2,2% do PIB.

Sem essas ações, Portugal "pode ter um déficit de cerca de 3% do PIB", destaca o documento.

Para uma consolidação orçamental a médio prazo o conselho do FMI defende vigor para diminuir a dívida pública.

O informe destaca que Portugal teve avanços importantes durante o programa de ajustamento para melhorar a flexibilidade e a competitividade dos mercados de trabalho e dos produtos.

*Apresentação: Mônica Villela Grayley

Leia e Oiça:

FMI: economia de São Tomé e Príncipe tem demonstrado resistência

Chefe do FMI diz que caso europeu é "unidade na diversidade"

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud