Vírus Zika em Cabo Verde foi provavelmente importado do Brasil
BR

20 maio 2016

Confirmação foi feita nesta sexta-feira pela Organização Mundial da Saúde, OMS; até 8 de maio, mais  de 7,5 mil casos suspeitos da doença foram registrados em Cabo Verde; pelo menos 3 casos de microcefalia foram relatados.

Laura Gelbert, da Rádio ONU em Nova York.

A Organização Mundial da Saúde, OMS, confirmou: o tipo do vírus da Zika que está circulando em Cabo Verde, o asiático, é o mesmo presente nas Américas e provavelmente foi importado do Brasil.

A sequenciação do vírus foi feita  pelo Instituto Pasteur, em Dacar. Esta é a primeira vez que a cepa do Zika responsável pelos surtos ligados a desordens neurológicas e microcefalia foi detectada na África.

Preocupação

O diretor regional da OMS para a África afirmou que as conclusões são “preocupantes porque são provas adicionais de que o surto está se espalhando para além da América do Sul e está à porta da África”.

Segundo Matshidiso Moeti, as informações vão ajudar os países africanos a reavaliarem seu risco e adaptarem e aumentarem seu nível de preparação.

Até o dia 8 de maio, mais de 7,5 mil casos suspeitos da doença foram registrados em Cabo Verde. Pelo menos três casos de microcefalia foram reportados no país e um pelo Centro de Controle de Doenças dos Estados Unidos, após um bebê ter nascido em um hopital americano.

Até o momento, não há relato de casos da síndrome de Guillain-Barré em Cabo Verde.

Grávidas

A OMS defende que, como primeiro passo, estes países devem aumentar a comunicação às grávidas sobre o risco.

O objetivo é aumentar a conscientização sobre as complicações associadas com o tipo asiático do vírus e promover medidas de proteção para prevenir picadas de mosquito e transmissão sexual.

Além disso, os países devem aumentar a vigilância em relação à transmissão do zika e acompanhar casos de má formação congênita em bebês, como a microcefalia, e também casos da síndrome de Guillain-Barré.

A agência da ONU está  ajudando os países africanos na resposta, detecção precoce e gestão de potenciais complicações associadas ao vírus zika. A resposta está apoiada em investimentos feitos na África Ocidental durante a emergência do ebola.

Leia e Ouça:

OMS fala em risco moderado do zika se espalhar pela Europa no verão

OMS alerta que zika vírus "preocupa mais do que nunca"

Divulgadas recomendações para atletas combaterem o zika nas Olimpíadas 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud