Zeid elogia decisão da Pfizer de barrar uso de seus medicamentos em execuções
BR

20 maio 2016

Para chefe de direitos humanos das Nações Unidas, empresas em diversas indústrias, “podem evitar que violações de direitos ocorram”.

Laura Gelbert, da Rádio ONU em Nova York.

O alto comissário da ONU para direitos humanos saudou as iniciativas anunciadas pela farmacêutica Pfizer para garantir que os medicamentos que a companhia produz não sejam usados em execuções com injeção letal.

Para Zeid Al Hussein, empresas, em diversas indústrias, “podem evitar que violações de direitos humanos ocorram”.

Pena de Morte

Em nota divulgada na quinta-feira, o chefe de direitos humanos da ONU também fez um apelo aos Estados que não recorram a fontes “questionáveis” para conseguir as drogas necessárias para injeções letais.

Ele destacou ainda que a ONU se opõe ao uso da pena de morte em todas as circunstâncias.

A Pfizer anunciou que restringiria a venda de sete produtos que têm sido parte de protocolos de injeção letal em alguns países. A revenda será restrita e entidades governamentais terão de certificar que produtos comprados não serão usados para nenhum propósito penal.

Princípios

A empresa farmacêutica afirmou que vai monitar a distribuição de forma consistente.

Zeid pediu que todas as empresas ajam de acordo com suas responsabilidades de direitos humanos, como estabelecido pelos Princípios Orientadores sobre Negócios e Direitos Humanos da ONU.

Leia e Ouça:

ONU diz que não há lugar para pena de morte no século 21

Cerca de 1 mil detentos são executados por ano por crimes de drogas

Irã teve a taxa mais alta de execuções em duas décadas

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud