Ocha destaca perda de até 80% do gado devido à seca na Somália

11 maio 2016

Situação na Puntlândia e em Somalilândia foi avaliada por chefe humanitário no país; mais de uma em cada três pessoas precisam de alguma forma de auxílio nas duas áreas semi-autónomas.

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.

O coordenador humanitário da ONU na Somália, Peter de Clercq, reiterou que são urgentes medidas para evitar que se acelere o ritmo de agravamento dos efeitos da seca nas regiões somalis da Puntlândia e da Somalilândia.

Em nota, publicada esta quarta-feira, o representante disse que vacinar o gado e fazer chegar dinheiro e insumos às comunidades agropastoris pode atenuar o impacto do fenómeno. De Clercq concluiu a sua deslocação às duas áreas.

Renda e Alimentação

As Nações Unidas estimam que entre 60% a 80% do gado foram perdidos por famílias que dependem dos animais para cobrir necessidades como renda e alimentação.

O representante expressou a sua "profunda preocupação" com os efeitos persistentes da falta de chuvas para as comunidades locais. Cerca de 385 mil pessoas estão a sofrer de insegurança alimentar aguda.

De acordo com as Nações Unidas, outro 1,3 milhão de somalis estão em risco se não receberem assistência nas áreas onde  um terço dos habitantes carece de alguma forma de assistência humanitária.

Resposta

O coordenador abordou o auxílio em contactos com representantes do governo, doadores, parceiros e comunidades afetadas tendo foco no impacto da situação e na resposta.

De acordo com as Nações Unidas, a visita também fez parte de uma iniciativa apoiada pela organização para encontrar soluções para 1,1 milhão de somalis em situação de deslocamento prolongado no país.

Leia e Oiça:

Somália: perito da ONU pede maior capacidade para julgar violência sexual

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud