Índice de pobreza ainda é “muito alto” nos países menos desenvolvidos
BR

10 maio 2016

Representante para estas nações, Gyan Chandra Acharya, falou a jornalistas, em Nova York, próxima conferência da ONU sobre estes países entre 27 e 29 de maio, na Turquia; cinco países de língua portuguesa fazem parte do grupo.

Laura Gelbert, da Rádio ONU em Nova York.

“A incidência de pobreza ainda é muito alta” nos países menos desenvolvidos, países em desenvolvimento sem litoral e pequenos Estados-ilha em desenvolvimento.

A declaração foi feita pelo subsecretário-geral e representante para estas nações, Gyan Chandra Acharya.

Linha de Pobreza

Segundo Acharya, quase “metade da população ainda está abaixo da linha de pobreza nestas nações”.

O subsecretário-geral falou a jornalistas na sede da ONU, em Nova York, sobre a próxima conferência da organização sobre países menos desenvolvidos entre 27 e 29 de maio em Antália, na Turquia.

Melhores Práticas

Na ocasião, será feita a revisão intermediária do Programa de Ação de Istambul, adotado em 2011, e serão abordados desafios, sucessos e melhores práticas.

Para Acharya, “o encontro também é uma oportunidade para capitalizar sobre a disponibilidade da comunidade internacional em redobrar esforços para acelerar o apoio aos países menos desenvolvidos”.

Conferência Humanitária Mundial

O representante afirmou ainda que há uma relação muito próxima entre o que será discutido na Conferência Humanitária Mundial, entre 23 e 24 de maio, em Istambul, o que será discutido no encontro em Antália, no contexto dos desafios e oportunidades dos países menos desenvolvidos.

Acharya destacou que a conferência humanitária é “muito relevante” para estes Estados, já que eles sofrem “impacto desproporcional tanto de desastres naturais e provocados pelo homem” assim como de “crises humanitárias”.

Progresso

Segundo o subsecretário-geral, o crescimento econômico tem sido, em geral, “positivo” nestes países nos últimos cinco anos. O desafio, no entanto, é que esse avanço não está sendo “dividido igualmente” entre estes Estados.

Acharya ressaltou que “quase um quarto dos países menos desenvolvidos” tem índice de crescimento de mais de 7%, o que ele considera “bastante substancial”.

O representante citou ainda progressos em áreas como desenvolvimento humano, aumento do acesso à internet e energia, representação das mulheres nos Parlamentos e redução na mortalidade materna e infantil.

Desafios

Entre os desafios, ele mencionou os altos índices de pobreza, situações de conflito ou pós-conflito e alta vulnerabilidade a desastres, pandemias e impactos das mudanças climáticas, entre outras questões.

De acordo com Acharya, cerca de 1 bilhão de pessoas vivem nos 48 países considerados menos desenvolvidos.  Fazem parte do conjunto os lusófonos Angola, Guiné-Bissau, Moçambique, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste.

Leia e Ouça:

Secretário-geral pede parcerias em prol de Estados insulares

Ban quer parcerias para combater vulnerabilidades de Estados insulares

Relatório traz soluções para a pobreza rural nos países menos desenvolvidos

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud