Locais para proteger civis serão precisos por mais tempo no Sudão do Sul

3 maio 2016

Estudo sobre bases das Nações Unidas no país destaca várias dificuldades e atritos nas áreas; "Se formos embora seremos entregues à morte" confirma que locais são uma das únicas fontes de segurança para as populações. 

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.

A Organização Internacional para Migrações, OIM,  publicou esta terça-feira o informe "Se formos embora seremos entregues à morte". O documento  analisa a proteção e a resposta humanitária a civis em bases das forças da ONU no Sudão do Sul.

Segundo o estudo, mesmo com o "otimismo cauteloso" com a execução do acordo de paz os principais envolvidos "reconhecem que os locais de proteção de civis provavelmente continuem a ser necessários nos próximos anos".

Mortos

Cerca de 200 mil deslocados procuraram abrigo nas áreas devido à guerra civil iniciada em dezembro de 2013.

Estima-se que mais de 50 mil pessoas morreram, quase 1,7 milhões foram desalojadas e outras 711 mil fugiram para os países vizinhos.

De acordo com a pesquisa, a Missão da ONU no Sudão do Sul, Unmiss, salvou milhares de vidas ao abrir as suas portas para receber sul-sudaneses com a ajuda de trabalhadores humanitários.

Mas o estudo aponta condições de superlotação e dificuldades nos locais, que representam "uma das únicas fontes de segurança para os civis" perante o impacto do conflito. 

Lições Aprendidas

A pesquisa foi encomendada pela OIM e pela Suíça para examinar a resposta nos locais, identificar as lições aprendidas nos últimos dois anos e meio e recomendar os passos fundamentais para garantir melhorias.

De acordo com as Nações Unidas, cerca de 6,1 milhões de pessoas devem precisar de assistência humanitária em 2016, devido aos deslocamentos e ao ambiente de segurança imprevisível.

O relator sobre os Deslocados Internos, Chaloka Beyani, disse esperar que com o documento haja um debate para incluir os principais envolvidos e melhorar a resposta aos desalojados que vivem nas bases das Nações Unidas.

Cooperação

Para produzir o estudo foram entrevistadas dezenas de representantes incluindo funcionários da operação de paz, pessoal humanitário, doadores e deslocados internos.

Uma das principais recomendações é que tanto a Unmiss como parceiros humanitários considerem dar apoio a longo prazo e aumentar a cooperação para garantir um ambiente seguro e protegido para os deslocados internos.

O estudo aconselha às partes a abordar as necessidades de proteção dos deslocados internos de uma "forma realista".

Ameaças Externas

As condições de proteção são consideradas "longe de serem as ideais", nos locais "cheios de complicações e atritos constantes entre agentes humanitários, deslocados internos e a Unmiss".

O documento destaca ter havido sacrifício do pessoal da operação de paz em defesa dos residentes, mas aponta ameaças externas e várias agressões a trabalhadores humanitários.

Leia e Oiça:

ONU deplora lançamento de granada-foguete contra complexo no Sudão do Sul 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud