Em Angola, perito da ONU quer perceber resposta ao fluxo de migrantes

2 maio 2016

Especialista sobre o setor quer saber mais sobre programas, políticas e leis migratórias angolanas; Acnur revela que o país tem 20 mil candidatos a asilo e 24 mil refugiados.

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.*

Um especialista das Nações Unidas chega segunda-feira a Angola para perceber como o país responde ao crescente número de migrantes.

Durante uma semana, o relator especial sobre os direitos humanos dos migrantes, François Crépeau, deve avaliar os atuais programas, políticas e leis migratórias angolanas.

Modelos

Crépeau disse que durante a última década, Angola experimentou modelos complexos de migração que são compostos por migrantes regulares e irregulares, bem como candidatos a asilo.

Segundo o  Alto Comissariado da ONU para Refugiados, mais de 20 mil pessoas pretendem ter guarida no país, que conta com cerca de 24 mil refugiados.

Centros de Detenção

Durante a deslocação estão previstos encontros com representantes do governo responsáveis pela gestão das fronteiras, sociedade civil, sindicatos, organizações internacionais e migrantes nas cidades de Luanda, Cabinda e Lunda Norte.

O especialista também deverá ter contacto com centros de detenção para produzir um relatório ao Conselho de Direitos Humanos. O documento deve ser apresentado no órgão em junho de 2017.

*Apresentação: Denise Costa.

Leia Mais:

Entrevista: o papel de Angola na “resolução histórica” para consolidar a paz

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud