Novos casos de malária diminuíram 18% nos últimos 15 anos
BR

25 abril 2016

Em Dia Mundial, secretário-geral da ONU lista avanços conquistados recentemente, inclusive na África, onde ocorrem 9 entre 10 casos; Ban Ki-moon diz que investimentos na prevenção e no tratamento deram resultados.

Leda Letra, da Rádio ONU em Nova York.

O secretário-geral da ONU divulgou um comunicado sobre o Dia Mundial de Luta contra a Malária, neste 25 de abril. Ban Ki-moon celebra que os novos casos diminuíram 18% desde o ano 2000.

Cerca de 6 milhões de mortes foram evitadas e o chefe da ONU explica que o aumento do financiamento global para combater a malária gerou os bons resultados.

Proteção

Na África, a taxa de mortalidade caiu dois terços. Mais da metade da população tem mosquiteiros em casa, sendo que no ano 2000, apenas 2% tinha acesso à proteção. Mas ainda assim, nove entre 10 novos casos da doença ocorrem no continente.

Ban Ki-moon menciona também o desenvolvimento e a distribuição de testes para o diagnóstico rápido. Assim, os casos podem ser identificados prontamente e ação pode ser tomada para evitar que a doença se espalhe.

Investimentos

Outros avanços no combate à malária foram o uso de inseticidas em ambientes fechados e utilização de medicamentos eficazes. O secretário-geral afirma que investir na prevenção e no tratamento da malária é uma das melhores maneiras de se gastar dinheiro.

A Organização Mundial da Saúde calcula que esforços neste sentido geraram uma economia de US$ 900 milhões para os sistemas de saúde, isso desde 2001. Ban Ki-moon afirma que no Dia Mundial, é preciso celebrar esses avanços marcantes.

Futuro

Mas ainda assim, o mundo está longe de eliminar a malária. O secretário-geral lembra dos 214 milhões de novos casos registrados no ano passado e das 400 mil pessoas que morreram da doença.

Ban explica que o mosquito que transmite a malária consegue desenvolver resistência a inseticidas e os parasitas podem ficar resistentes aos medicamentos. Por isso, não há garantias de que os progressos continuarão.

Ele pede a todos os países para redobrarem os esforços nesta luta, para que as seguintes metas estipuladas sejam alcançadas até 2030: reduzir casos e taxa de mortalidade em 90% e eliminar a malária em pelo menos 35 países.

Leia e Ouça:

Relatório da OMS mostra que é possível eliminar a malária até 2030

Portugal renova apoio ao Fundo Global contra Sida, Tuberculose e Malária

Europa é a primeira região do mundo livre da malária

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud