Com novo governo, Cabo Verde promete manter metas climáticas

21 abril 2016

Assinatura do Acordo do Clima na ONU coincide com posse do novo executivo; meta  do país é ter toda a eletricidade produzida de fontes renováveis em nove anos; principais necessidades incluem desenvolver capacidade técnica.

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.

Cabo Verde promete manter metas em relação ao clima e ao desenvolvimento sustentável com o novo governo que toma posse esta sexta-feira.

O primeiro-ministro eleito, Ulisses Correia e Silva, e o seu executivo serão investidos no mesmo dia em que o país assina o Acordo do Clima na sede das Nações Unidas.

Populações

O embaixador cabo-verdiano junto à ONU, Fernando Wahnon Ferreira, disse que não haverá qualquer reversão quanto às metas climáticas, que podem entretanto ser alteradas para a melhorar a vida das populações.

"Estamos essencialmente virados para as energias renováveis. Pensamos que devemos diminuir as emissões, ou não aumentá-las, e aumentar o crescimento económico através das energias renováveis. Nós temos uma meta de 100% das energias renováveis, falando de eletricidade para 2025. Nós já temos cerca de 30% de energias renováveis na rede."

Degradação

Em relação ao impacto das alterações do clima, o principal receio é que piore a degradação das zonas litorais de Cabo Verde.

O diplomata, que vai representar o seu país na cerimónia de assinatura do acordo, falou da necessidade de reduzir riscos e da mitigação.

"Os períodos de seca podem ser superiores àqueles que temos registado, assim como os períodos de chuva podem ser mais agravados. Pode haver mais tempestades tropicais em relação as que já temos tido. Cabo Verde em relação a esta matéria é relativamente poupado se fizermos a comparação em relação a outras ilhas, quer no Índico quer no Pacífico. Mas essencialmente temos algumas preocupações de adaptação que têm a ver com a promoção da gestão integrada dos recursos hídricos que é importante em Cabo Verde por exemplo."

Wahnon Ferreira disse que o país não emite gases de efeito de estufa em ritmo considerado preocupante mas tem responsabilidades internacionais.

Conhecimento

Entre as grandes preocupações estão desenvolver a capacidade técnica adquirindo mais conhecimento em relação ao acesso e como lidar com fenómenos naturais.

No país onde a maioria da água é dessalinizada, a preocupação em relação à distribuição é que haja estabilidade na oferta para a produção alimentar e para abastecer as cidades.

Leia e Oiça:

São Tomé e Príncipe aposta em avançar com assinatura do Acordo de Paris

Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News 

Baixe o aplicativo/aplicação para  iOS ou Android

Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud