ONU: construções devem usar padrões de segurança em áreas de terremoto
BR

20 abril 2016

Chefe do Escritório para Redução dos Riscos de Desastre afirmou que “prédios, e não tremores, causaram a maioria das mortes no Equador; Robert Glasser disse que são os destroços que matam pessoas em caso de terremoto.

Edgard Júnior, da Rádio ONU em Nova York.

O chefe do Escritório das Nações Unidas para Redução dos Riscos de Desastres, Unisdr, Robert Glasser, afirmou que as mortes devido aos terremotos no Equador e no Japão ocorreram mais por causa dos prédios do que dos tremores de terra.

Glasser disse que “os terremotos servem para lembrar como é importante aplicar o mais alto padrão de segurança possível nas construções feitas em áreas sujeitas a esse tipo de desastre natural”.

Anel de Fogo

Ele declarou que “os edifícios e os destroços de vários tipos de infraestruturas são os que matam as pessoas quando os terremotos ocorrem”.

O chefe da agência afirmou que isso “faz com que a segurança estrutural se transforme numa questão de vida ou de morte em regiões como o chamado “anel de fogo” do Pacífico, que inclui Japão e Equador.

Os terremotos e os tsunamis são “relativamente raros riscos naturais”, mas foram responsáveis por quase 750 mil mortes nos últimos 20 anos. Além disso, causaram perdas econômicas significativas durante esse período.

Urbanização

Glasser disse que “a urbanização acelerou muito em áreas sísmicas nos últimos anos e é importante que isso seja feito de uma forma em que as construções resistam aos terremotos”.

O assunto ganhou força em março do ano passado, quando a comunidade internacional adotou a Plataforma de Sendai para Redução do Risco de Desastre.

O documento é um plano de 15 anos com o objetivo de reduzir o número de mortes e a destruição de comunidades em casos de desastres naturais ou causados pelos homens.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud