OMS ajuda a estender vacinação contra a febre-amarela em Angola

20 abril 2016

Preocupação é que o vírus possa espalhar-se para outros locais; representante da agência em Angola disse haver casos da doença no Quénia, na República Democrática do Congo e na China.

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.*

Cerca de 1 milhão de pessoas já foram imunizadas na campanha de vacinação contra a febre-amarela nas províncias angolanas de Huambo e Benguela. A iniciativa tem o apoio da Organização Mundial da Saúde, OMS, e parceiros.

Foi na capital Luanda onde decorreu a primeira iniciativa de imunização contra a pior epidemia da doença em décadas. Desde dezembro, a febre-amarela causou a morte de 250 pessoas no país.

Casos Suspeitos

O representante da OMS em Angola, Hernando Agudelo, disse que todo o território angolano deve ser coberto pela iniciativa, liderada pelo Ministério da Saúde. Foram notificados mais de 1,9 mil casos suspeitos e confirmados 617 pacientes.

"Tomou-se a decisão de fazer uma campanha de vacinação massiva em todo o país para garantir que o país fique protegido. A vacina não está imediatamente disponível para todas as províncias. Nas áreas onde há transmissão local já está disponibilizada. A campanha está a ser feita nestas duas províncias e depois vamos continuar em todas as cinco províncias e 11 municipalidades."

Casos Importados

Nas próximas duas semanas, em Huambo e Benguela devem ser imunizadas cerca de 2,1 milhões de pessoas em cinco distritos urbanos densamente povoados.

A OMS disse que países como Quénia, República Democrática do Congo e China já registaram casos de febre-amarela importados de Angola. A preocupação é que o vírus possa espalhar-se para outros centros urbanos dentro e fora do país.

O apelo da agência às nações, especialmente as que fazem fronteira com Angola, é que aumentem a vigilância de doenças e reforcem o controlo do vetor e garantam que todos os que viajam para o país afetado sejam vacinados.

Brasil

Na primeira fase da vacinação, iniciada em fevereiro, foram abrangidos 6 milhões de pessoas em Luanda com reservas de emergência.

Os contribuintes foram o Brasil, o Grupo de Coordenação Internacional para Provisão de Vacinas com o apoio da Aliança Gavi, o Fundo das Nações Unidas para a Infância e o Fundo Central de Resposta de Emergência, Cerf.

Vigilância

Com a campanha de vacinação decorrem ações de reforço da vigilância da doença e da capacidade de diagnóstico em Angola e nos países vizinhos.

A outra meta é melhorar o controlo dos vetores da febre-amarela, incluindo campanhas de educação de saúde pública lideradas pela comunidade.

Cerca de 10 milhões de doses da vacina agora disponíveis foram disponibilizadas no fim de março com o reabastecimento das reservas de emergência da vacina contra a febre-amarela.

*Apresentação: Michelle Alves de Lima.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud