OIM apoia combate à fragilidade nas fronteiras entre Mali e Mauritânia

12 abril 2016

Limites entre os dois países sofrem impacto de gestão deficiente e da falta de equipamento; Mauritânia regista aumento de redes criminosas e da ação de terroristas.

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.

Polícias das fronteiras do Mali e da Mauritânia abordam como atuar de uma forma mais eficaz, detetar documentos falsos e proteger as vítimas de tráfico humano.

No limite entre os dois países, a Organização Internacional para Migrações, OIM,  identificou problemas de gestão e da falta de equipamento. As fronteiras são consideradas porosas pela sua localização e ambiente.

Terrorismo

A agência parceira da ONU indica que a fragilidade das fronteiras e as oportunidades económicas na Mauritânia causam um aumento dos fluxos de migração para o país, do trânsito e das ameaças transfronteiriças.

Os problemas que ocorrem na área incluem roubos de gado, migração irregular, terrorismo além do tráfico de armas, de pessoas e de drogas.

Nos últimos anos, a Mauritânia registou uma expansão das redes criminosas transnacionais e da operação de organizações terroristas, particularmente após o início do conflito armado no norte do Mali em 2012.

Habilidades

O encontro de 10 dias que decorre na Mauritânia faz parte de uma série de formações em território mauritano e maliano.

O objetivo é habilitar a polícia para investigar casos suspeitos de documentos falsos. Os agentes também devem ter maior capacidade de entrevistar as vítimas de tráfico respeitando a sensibilidade, confidencialidade e não-discriminação.

Segurança

A partilha de experiências e das melhores práticas é um dos principais componentes do intercâmbio entre as autoridades de segurança dos dois países da África Ocidental.

O gestor do projeto da OIM na Mauritânia, Tomoko Sato, disse que as formações conjuntas vão facilitar a colaboração para combater o terrorismo.

De acordo com Sato, o tipo de encontros vai ajudar a ter maior foco para prevenir a criminalidade transfronteiriça, o tráfico e o contrabando. As outras áreas importantes são melhorar a cooperação e a partilha de informação durante emergências ou desastres naturais.

Leia e Oiça: 

OIM: mais de 700 pessoas morreram no Mediterrâneo em 2016

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud