Enviado da ONU saúda início do cessar-fogo no Iêmen
BR

11 abril 2016

Ismail Ould Cheikh Ahmed  pediu respeito à medida que teve início à meia-noite; negociações de paz estão marcadas para 18 de abril, no Kuwait.

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.*

O enviado especial do secretário-geral das Nações Unidas para o Iêmen saudou a suspensão de hostilidades que entrou em vigor à meia-noite de domingo, 10 de abril.

Ismail Ould Cheikh Ahmed pediu a todas as partes do conflito que respeitem a medida, criando um ambiente propício para as negociações de paz marcadas para 18 de abril, no Kuwait.

Beira do Abismo

Em nota, Ahmed declarou que é "tempo para recuar da beira do abismo" no país.

O representante pediu aos envolvidos no conflito e à comunidade internacional que continuem firmes no apoio à medida para que esse possa ser o "primeiro passo" do retorno do Iêmen à paz que considera "fundamental, urgente e muito necessária."

Ajuda Humanitária

A proposta apresentada pelo enviado especial inclui compromissos para o livre acesso de ajuda humanitária a todas as partes no país.

Para ele, um resultado positivo nas negociações de paz vai exigir "compromissos difíceis, coragem e determinação" de todos os lados para se chegar a um acordo.

Crianças

A representante do secretário-geral sobre Criança e Conflito Armado, Leila Zerrougui,  e o Fundo das Nações Unidas para a Infância, Unicef, também reagiram à suspensão de hostilidades.

Um comunicado conjunto destaca que o cessar-fogo é uma oportunidade para que os envolvidos tomem medidas para melhorar a proteção das crianças.

Segundo o Unicef, 900 crianças foram mortas durante o conflito no país no ano passado, sete vezes mais em comparação a 2014.

O recrutamento infantil subiu cinco vezes, com 848 casos verificados. Os ataques a escolas e hospitais duplicaram e o número total ultrapassa 115.

Ponta do Iceberg

A agência menciona ainda que a interrupção na prestação de serviços básicos privou milhares de crianças dos seus direitos fundamentais à educação e à saúde.

Para o Unicef, os incidentes verificados pela ONU são a ponta do iceberg. No entanto, revelam estimativas de que as crianças representam cerca de um terço dos civis mortos no conflito e cerca de um quarto dos feridos.

A agência menciona também que ataques a infraestruturas civis, especialmente a escolas e centros de saúde, tornaram-se comuns.

O Unicef também citou o fato de que crianças estão desempenhando um papel mais ativo nos combates, nos postos de controle e na linha da frente.

Segundo o Fundo, estes fatores representam um padrão preocupante do flagrante desrespeito pelo direito internacional humanitário e pelos direitos das crianças no Iêmen.

Para a agência, tais padrões têm implicações de longo prazo para a estabilidade do país árabe e para o futuro dos menores.

*Apresentação: Laura Gelbert.

Leia Mais:

Cessar-fogo no Iêmen gera expectativa de alívio da violência para civis 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud