Enviado da ONU condena execuções atribuídas a grupos armados na Líbia

30 março 2016

Supostas ações decorreram a partir da quarta-feira; crianças estão entre as vítimas de um confronto em Trípoli; enviado reiterou advertência quanto a atos como tortura, execução de prisioneiros e ataques diretos a civis.

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.

O representante especial do secretário-geral das Nações Unidas na Líbia, Martin Kobler, condenou as alegadas execuções e vítimas civis ocorridas nas áreas de al-Tewibya e al-Zawiya entre 22 e 24 de março.

Em nota, o também chefe da Missão da ONU na Líbia, Unsmil,  adverte que as ações podem ser consideradas crimes sob o direito internacional.

Sequestros

Relatos indicam que grupos armados teriam executado seis homens na quinta-feira na área de Warshafana, em Trípoli, após terem sido sequestrados nas suas casas.

Pelo menos sete civis, incluindo três crianças, foram mortos durante um confronto armado na área.

Prisioneiros

Kobler manifestou solidariedade com os familiares das vítimas e aos feridos.

O enviado lembrou às partes no conflito na Líbia que a tortura, a execução de prisioneiros e os ataques diretos ou indiscriminados contra civis são proibidos pelo direito Internacional Humanitário e dos Direitos Humanos.

A nota do representante termina com um apelo para que os responsáveis dos crimes sejam levados à justiça.

Leia Mais:

Enviado pede cooperação após prisão de grupo que lida com segurança na Líbia

Grupos terroristas estão firmando raízes na Líbia, avalia representante

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud